O nome do abacate tem origem na palavra Azteca ahuacatl, que significa testículos e é alusivo à forma do fruto. As primeiras provas do seu consumo humano são as sementes encontradas na Caverna Coxcatlán, no México, provavelmente desde 8000 a.C. O seu conteúdo rico em gordura poderá fazer do fruto uma aquisição valiosa para a dieta pré-histórica. O México é atualmente o principal produtor de abacate, sendo também cultivado nos EUA, República Dominicana e Indonésia.

O abacate é um fruto muito rico em nutrientes. Além de gorduras monoinsaturadas, o abacate é rico em vitamina F, folato, vitamina C, vitamina B6, vitamina B5, potássio, vitamina E, vitamina B3, cobre, vitamina B2, magnésio e manganésio. Tem também alguma vitamina B1, fósforo, zinco, ferro e carotenoides. Além disso contém fitoquímicos e compostos bioativos que estão associados a benefícios para a saúde cardiovascular .

O abacate da variedade Hass contém cerca de 13 g de ácido oleico, comparável à quantidade encontrada em 42 g de amêndoas ou 2 colheres de sopa de azeite. Especificamente, metade de 1 abacate fornece ate 20% da recomendação diária de fibra, 10% de potássio, 5% de magnésio e 15% de folato, assim como 7,5 g de ácidos gordos monoinsaturados e 1,5 g de ácidos gordos polinsaturados. Nesse sentido, os abacates poderão fazer parte de um padrão alimentar saudável. Alguns estudos sugerem que os consumidores de abacate tendem a ter níveis mais elevados de HDL, menos síndrome metabólica, menos peso, IMC e perímetro abdominal .

Um novo estudo avaliou os efeitos da ingestão de abacate e o risco de doenças cardiovasculares com base em dois estudos prospetivos com um total de 110487 participantes acompanhados ao longo de 30 anos . Foram observados os seguintes resultados:

  • A ingestão de pelo menos 2 porções de abacate por semana esteve associada a um risco 16% inferior de doença cardiovascular e 21% inferior de doença coronária;
  • Substituir ½ porção diária de margarina, manteiga, ovo, iogurte, queijo ou carnes processadas pela mesma quantidade em abacate esteve associado a um risco 16-22% inferior de doenças cardiovasculares;
  • Substituir ½ porção diária de azeite, oleaginosas e outros óleos vegetais por abacate não teve benefícios adicionais;
  • Não houve efeitos no risco de AVC.

O estudo concluiu que uma ingestão superior de abacate assim como a substituição de alimentos ricos em gordura saturada por abacate poderá estar associado a um risco inferior de doenças cardiovasculares .

Alguns estudos sugerem também que o abacate poderá contribuir para uma diminuição dos valores de colesterol LDL, podendo diminuir o risco de doenças cardiovasculares. Um estudo clínico aleatorizado com 45 participantes com excesso de peso ou obesidade, mostrou que aqueles que comeram um abacate por dia diminui de forma significativa os níveis de LDL oxidado e o efeito esteve associado a uma diminuição no número de partículas pequenas e densas de LDL, as quais estão relacionados com um risco elevado de doença cardiovascular .

Um estudo in vitro e in vivo sugere que uma molécula presente nos abacates, a avocatina B (AvoB), poderá evitar as complicações metabólicas associadas à obesidade, ao inibir a oxidação de ácidos gordos. Quando foi dada AvoB durante 5 semanas a animais alimentados com uma dieta rica em gorduras durante 8 semanas, foram observadas melhorias na tolerância e utilização da glicose, assim como da sensibilidade à insulina. Um estudo clínico em humanos mostrou também que a AvoB, em quantidade até 200 mg por dia, foi segura e bem tolerada . O estudo conclui que a AvoB obtida a partir do abacate é eficaz a inibir a oxidação de ácidos gordos, diminui as espécies de oxigénio reativas e melhora a oxidação da glicose em condições de lipotoxicidade, o que poderá ser útil no tratamento das complicações metabólicas da obesidade.

Um estudo anterior, desenvolvido na Universidade de Waterloo, sugere que a avocatina B poderá ser eficaz no combate à leucemia mielóide aguda (LMA), ao atingir as células estaminais desse cancro . De acordo com Paul Spagnuolo, autor do estudo, “a célula estaminal é grandemente responsável pelo desenvolvimento da doença e é a razão pela qual tantos pacientes com leucemia têm recidivas“. Os autores do estudo verificaram que a AvoB presente nos abacates tem a capacidade de atingir as células estaminais de cancro deixando as células saudáveis ilesas .

Os abacates têm também outros benefícios para a saúde:

  • Ricos em gorduras saudáveis, especialmente ácido oleico, um ácido gordo monoinsaturado. O ácido oleico poderá diminuir o risco de alguns cancros, como o da mama .
  • Um abacate por dia poderá diminuir o colesterol LDL em indivíduos com excesso de peso e obesidade .
  • As gorduras presentes nos abacates ajudam na absorção de certos nutrientes como os carotenóides .
  • Extrato de abacate poderá proteger de efeitos colaterais da quimioterapia em linfócitos humanos  e inibir o crescimento de células de cancro da próstata .
  • O abacate é rico em:
    • Vitamina K
    • Folato
    • Vitamina C
    • Potássio
    • Vitamina B5
    • Vitamina B6
    • Vitamina E
    • Carotenóides (Luteína e Zeaxantina)

No contexto de uma dieta de base vegetal de qualidade, os abacates poderão ser benéficos na prevenção de doenças cardiovasculares e outras doenças crónicas.

Referências:

1.
Fulgoni VL, Dreher M, Davenport AJ. Avocado consumption is associated with better diet quality and nutrient intake, and lower metabolic syndrome risk in US adults: results from the National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES) 2001–2008. Nutrition Journal [Internet]. 2013 Jan 2 [cited 2022 Jun 3];12(1):1. Available from: https://doi.org/10.1186/1475-2891-12-1
1.
Dreher ML, Davenport AJ. Hass Avocado Composition and Potential Health Effects. Crit Rev Food Sci Nutr [Internet]. 2013 May [cited 2022 Jun 3];53(7):738–50. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3664913/
1.
Pacheco LS, Li Y, Rimm EB, Manson JE, Sun Q, Rexrode K, et al. Avocado Consumption and Risk of Cardiovascular Disease in US Adults. Journal of the American Heart Association [Internet]. 2022 Apr 5 [cited 2022 Jun 3];11(7):e024014. Available from: https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/JAHA.121.024014
1.
Wang L, Tao L, Hao L, Stanley TH, Huang KH, Lambert JD, et al. A Moderate-Fat Diet with One Avocado per Day Increases Plasma Antioxidants and Decreases the Oxidation of Small, Dense LDL in Adults with Overweight and Obesity: A Randomized Controlled Trial. J Nutr. 2019 Oct 14;
1.
Ahmed N, Tcheng M, Roma A, Buraczynski M, Jayanth P, Rea K, et al. Avocatin B Protects Against Lipotoxicity and Improves Insulin Sensitivity in Diet-Induced Obesity. Molecular Nutrition & Food Research [Internet]. [cited 2019 Nov 15];n/a(n/a):1900688. Available from: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/mnfr.201900688
1.
Lu QY, Arteaga JR, Zhang Q, Huerta S, Go VLW, Heber D. Inhibition of prostate cancer cell growth by an avocado extract: role of lipid-soluble bioactive substances. J Nutr Biochem. 2005 Jan;16(1):23–30.
1.
Paul R, Kulkarni P, Ganesh N. Avocado fruit (Persea americana Mill) exhibits chemo-protective potentiality against cyclophosphamide induced genotoxicity in human lymphocyte culture. J Exp Ther Oncol. 2011;9(3):221–30.
1.
Unlu NZ, Bohn T, Clinton SK, Schwartz SJ. Carotenoid Absorption from Salad and Salsa by Humans Is Enhanced by the Addition of Avocado or Avocado Oil. J Nutr [Internet]. 2005 Mar 1 [cited 2015 Jun 18];135(3):431–6. Available from: http://jn.nutrition.org/content/135/3/431
1.
Wang L, Bordi PL, Fleming JA, Hill AM, Kris‐Etherton PM. Effect of a Moderate Fat Diet With and Without Avocados on Lipoprotein Particle Number, Size and Subclasses in Overweight and Obese Adults: A Randomized, Controlled Trial. J Am Heart Assoc [Internet]. 2015 Jan 27 [cited 2015 Jun 18];4(1):e001355. Available from: http://jaha.ahajournals.org/content/4/1/e001355
1.
Menendez JA, Vellon L, Colomer R, Lupu R. Oleic acid, the main monounsaturated fatty acid of olive oil, suppresses Her-2/neu (erbB-2) expression and synergistically enhances the growth inhibitory effects of trastuzumab (Herceptin) in breast cancer cells with Her-2/neu oncogene amplification. Ann Oncol. 2005 Mar;16(3):359–71.
1.
Lee EA, Angka L, Rota SG, Hanlon T, Mitchell A, Hurren R, et al. Targeting Mitochondria with Avocatin B Induces Selective Leukemia Cell Death. Cancer Res [Internet]. 2015 Jun 15 [cited 2015 Jun 18];75(12):2478–88. Available from: http://cancerres.aacrjournals.org/content/75/12/2478