Contrariamente àquela que é a perceção geral sobre a diabetes, alguns estudos da década de 1970 sugeriam que uma dieta rica em hidratos de carbono estava associada a uma glicémia mais controlada em pessoas com a doença , o que já tinha sido proposto duas décadas antes . Outros estudos clínicos posteriores confirmaram que dietas ricas em hidratos de carbono pareciam ser benéficas para diminuir os níveis de hemoglobina glicada, melhorar os níveis de glicose e melhorar os níveis de colesterol LDL em pessoas com diabetes . No entanto, esses benefícios só foram aparentes quando os alimentos ricos em hidratos de carbono eram também ricos em fibra .

Na realidade, ao contrário do que se possa pensar, os cereais integrais parecem ser dos componentes da alimentação mais protetores em relação à diabetes tipo 2. Um estudo prospetivo que acompanhou 55465 participantes ao longo de 15 anos mostrou que o consumo de qualquer tipo de cereal integral esteve associado a uma diminuição do risco de diabetes tipo 2 :

  • O consumo uma porção (16 g) de cereais integrais por dia esteve associado a uma diminuição de 11% no risco de diabetes tipo 2 no caso dos homens e 7% no caso das mulheres;
  • Entre aqueles que consumiram pelo menos 50 g/dia de cereais integrais houve uma diminuição de 34% no risco de diabetes tipo 2 no caso dos homens e 22% no caso das mulheres;
  • No caso dos homens todos os cereais integrais investigados (trigo, centeio e aveia) estiveram associados a uma diminuição do risco de diabetes tipo 2;
  • Entre as mulheres, apenas o trigo e a aveia estiveram associados a uma diminuição do risco de diabetes tipo 2;
  • Entre os vários produtos com cereais integrais, pão de centeio, de trigo e papa de aveia ou muesli estiveram associados a uma diminuição do risco de diabetes tipo 2.

O estudo concluiu que existe uma relação robusta entre o consumo de cereais integrais e uma diminuição do risco de diabetes tipo 2, sendo que deveria ser recomendado o seu consumo para a população. Estes resultados estão em linha com outros estudos que sugerem que os cereais integrais poderão ser dos alimentos mais importantes na prevenção de diabetes tipo 2. Para procurar identificar os componentes da dieta mais fortemente associados com o risco de diabetes tipo 2, foi também realizada uma revisão guarda chuva de revisões sistemáticas e meta-análises de estudos prospetivos que procurou avaliar a força da evidência dessas associações . Alguns resultados do estudo:

EVIDÊNCIA DE ALTA QUALIDADE (Diminuição do risco)

  • Cereais integrais (a cada 30g/dia, diminuição de 13% no risco de diabetes tipo 2);
  • Fibras de cereais (a cada 10g/dia, diminuição de 25% no risco de diabetes tipo 2).

EVIDÊNCIA DE ALTA QUALIDADE (Aumento do risco)

  • Carne vermelha (a cada 100g/dia, aumento de 17% no risco de diabetes tipo 2);
  • Carne processada (a cada 50g/dia, aumento de 37% no risco de diabetes tipo 2);
  • Bacon (a cada 2 fatias/dia, aumento de 107% no risco de diabetes tipo 2);
  • Bebidas açucaradas (a cada porção/dia aumento de 26% no risco de diabetes tipo 2).

De acordo com o estudo, tanto os cereais integrais como as fibras de cereais são os componentes da alimentação associados de uma forma mais robusta à redução do risco de diabetes.

Uma vez que a diabetes se trata de uma doença que envolve uma incapacidade de metabolizar adequadamente os hidratos de carbono, associamos quase sempre uma dieta rica em açúcares ou hidratos de carbono simples com o risco da doença. Por outro lado, incluímos na categoria dos hidratos de carbono alimentos como os cereais integrais, os quais como vimos acima estão relacionados com uma diminuição muito significativa do risco de DT2. Nesse sentido, não parece ser correto atribuir aos hidratos de carbono a causa principal da diabetes tipo 2. Os mecanismos que poderão explicar os benefícios dos cereais integrais no risco de diabetes não são ainda inteiramente conhecidos, mas poderão envolver :

  • Melhoram a sensibilidade à insulina;
  • Diminuem a glicose pós-prandial;
  • Diminuem a inflamação.

Os efeitos poderão também estar relacionados com a fibra assim como outros componentes bioativos. A fibra dos cereais integrais melhora a composição da microbiota e aumenta a produção de ácidos gordos de cadeia curta (butirato e acetato) os quais têm inúmeros benefícios para a saúde. Disbioses e concentrações baixas de bactérias produtoras de ácidos gordos de cadeia curta estão associados a uma maior prevalência de diabetes tipo 2 . Outro dos mecanismos possíveis que explicam os benefícios dos cereais integrais poderá estar relacionado com o aumento de compostos de betaína resultante do seu consumo. Entre outras coisas, o aumento destes compostos está associado a uma melhoria no metabolismo da glicose .

Ainda sobre os cereais integrais, o maior estudo publicado até à data vem confirmar aquilo que já sabíamos a partir de todos os estudos publicados ao longo dos últimos 40 anos: são benéficos e diminuem o risco de mortalidade por doenças crónicas. O estudo publicado na Lancet incluiu revisões sistemáticas a meta-análises a 185 estudos prospetivos e 58 estudos clínicos, tendo chegado aos seguintes resultados :

  • Com base nos estudos prospetivos, o consumo superior de cereais integrais esteve associado a uma diminuição de 13-33% no risco de mortalidade total (19%), incidência de doença cardiovascular (20%), incidência de diabetes tipo 2 (33%), incidência de cancro colorretal (13%) e mortalidade por cancro (16%);
  • Com base nos estudos prospetivos, um consumo superior de fibra esteve associado a uma diminuição de 15-31% no risco de mortalidade total (15%), mortalidade por doença cardiovascular (31%), incidência de doença cardiovascular (24%), incidência de diabetes tipo 2 (16%), incidência de cancro colorretal (16%) e mortalidade por cancro (13%);
  • Por cada incremento de 8g de fibra ingerida por dia houve uma diminuição de 5-27% no risco de mortalidade total, doença cardiovascular, diabetes tipo 2 e cancro colorretal;
  • Por cada incremento de 16g de cereais integrais ingeridos por dia houve uma diminuição de 2-19% no risco de mortalidade total, doença cardiovascular, diabetes tipo 2 e cancro colorretal;
  • A análise aos estudos clínicos mostrou que um consumo superior de cereais integrais ou fibra esteve associado a uma diminuição de peso, colesterol e pressão arterial;
  • A maior diminuição do risco de doenças crónicas observou-se quando o consumo de fibra foi entre as 25 e as 29g. Doses superiores estiveram associadas a uma diminuição ainda mais significativa do risco de doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, cancro coloerretal e cancro da mama.

De acordo com estes resultados, o estudo conclui que um consumo superior de cereais integrais ou fibra está associado a uma diminuição do risco de mortalidade e de doenças crónicas, reforçando assim a recomendação de se substituir cereais refinados por cereais integrais e aumentar o consumo fibra para pelo menos 25-29g por dia, sendo que quantidades superiores poderão ser ainda mais benéficas.

Uma nova revisão sistemática e meta-análise a 2 estudos prospetivos com 8300 participantes e 42 estudos clínicos com 1789 participantes vem reforçar a ideia de que a fibra e os cereais integrais são fundamentais não só na prevenção de diabetes como na gestão da doença. Todos os participantes dos estudos tinham pré-diabetes, diabetes tipo 1 ou diabetes tipo 2. Alguns resultados dos estudos:

  • De acordo com os estudos prospetivos, comparativamente com uma ingestão diária de 19g de fibra, uma ingestão de 35g de fibra por dia esteve associada a uma diminuição de 35% no risco de morte prematura;
  • De acordo com os estudos clínicos, aqueles que tiveram uma ingestão superior de fibra ou cereais integrais tiveram uma redução de HbA1c, glicémia em jejum, insulina, resistência à insulina, colesterol, triglicéridos, IMC e inflamação.

O estudo concluiu que dietas ricas em fibra são importantes para a gestão da diabetes, estando associadas a melhorias no controlo da glicémia, lípidos, peso e inflamação, assim como a uma redução da mortalidade prematura. Esses benefícios foram observados para qualquer tipo de diabetes e tipo de fibra. De acordo com os resultados poderá ser recomendável aumentar a ingestão de fibra em 15 a 35g por dia de forma a diminuir a mortalidade em adultos com diabetes .

Em todo o mundo, o consumo de fibra é de cerca de 20g por dia. Em Portugal a ingestão média de fibra por dia são 18 g por dia. Na Europa, o maior consumo de cereais integrais dá-se nos países nórdicos. Na Dinamarca, por exemplo, o consumo de cereais integrais é em média 58 g/dia, comparativamente com os EUA onde o consumo é em média inferior a 16 g/dia. Na Suécia, recomenda-se que se consumam 70g/dia de cereais integrais no caso das mulheres e 90 g/dia no caso dos homens.

Uma das características da dieta ocidental, além de ser muito rica em produtos animais, gorduras saturadas e açúcares livres, é o consumo de farinhas e cereais refinados, aos quais foram retirados a película externa onde se concentram as fibras e muitos dos seus minerais, vitaminas e fitoquímicos. Dessa forma não só resta um alimento com um índice glicémico muito elevado, como contribui para uma grande carência de fibra que tem a nossa alimentação.

Por outro lado, os cereais integrais mantêm todas as suas propriedades intactas contribuindo assim para inúmeros benefícios para a saúde e na prevenção de doenças crónicas (mesmo sendo ricos em hidratos de carbono e glúten!). No entanto, mesmo no caso de alimentos com cereais integrais, o seu grau de processamento (mais ou menos triturados) pode determinar os efeitos para a saúde. Alguns estudos sugerem que cereais integrais muito triturados (como em farinhas muito finas) têm um índice glicémico superior do que cereais integrais inteiros ou menos triturados . Um estudo recente mostrou que a resposta glicémica a quatro diferentes pães integrais depende do grau de processamento do grão no caso de adultos com diabetes. No caso da farinha integral moída em mó de pedra a resposta glicémica foi inferior .

Mais recentemente, um estudo clínico cross-over com 31 participantes com diabetes tipo 2 comparou os efeitos nos níveis de glicémia entre cereais integrais muito ou pouco processados. No caso dos cereais pouco processados foram utilizados flocos de aveia integral, arroz integral e pão integral com farinha pouco triturada e bagos de trigo. No caso dos cereais integrais muito processados foram utilizados flocos de aveia integral instantâneos, massa de arroz integral e pão integral com farinha muito triturada. No final do estudo, aqueles que ingeriram os cereais integrais menos processados tiveram melhores valores de glicémia depois das refeições e menor variabilidade da glicémia ao longo do dia. Os resultados foram mais significativos depois do pequeno-almoço. Outro efeito não esperado observado no estudo foi uma ligeira perda de peso .

Vários estudos sugerem que uma dieta de base vegetal está associada a uma diminuição do risco de diabetes. A análise conjunta a 3 estudos prospetivos com 200727 participantes no total mostrou que aqueles com índices de dieta de base vegetal superiores tiveram um risco inferior de diabetes tipo 2: diminuição de 20% no caso de PDI (dietas de base vegetal) e 34% no caso de hPDI (dietas de base vegetal saudáveis) .

Dentro das dietas de base vegetal, a dieta vegana parece ser aquela que mais diminui o risco da doença. Um estudo prospetivo com 41387 participantes mostrou que uma dieta ovo-lacto-vegetariana esteve associada a uma diminuição de 38% no risco de diabetes tipo 2 e uma dieta vegana esteve associada a um risco 62% inferior da doença .

Uma meta-análise a 9 estudos prospetivos com um total de 307099 participantes mostrou também que dietas de base vegetal estiveram associadas a um risco 23% inferior de diabetes tipo 2. Além disso, nos estudos em que se diferenciou dietas de base vegetal saudáveis (ricas em vegetais, frutos, cereais integrais, leguminosas e frutos secos) de dietas de base vegetal pouco saudáveis (ricas em farinhas refinadas e açúcares adicionados), houve uma diminuição de 30% no risco de diabetes tipo 2.  O estudo concluiu assim que dietas de base vegetal, especialmente aquelas que incluem alimentos saudáveis, poderão ser eficazes na prevenção de diabetes tipo2 .

Também de acordo com o estudo PREDIMED, um consumo frequente de leguminosas, especialmente lentilhas, no contexto de uma dieta mediterrânica, pode diminuir o risco de diabetes em adultos com risco de doença cardiovascular .

Por outro lado, uma ingestão elevada de produtos animais, especialmente carne vermelha e processada e gorduras saturadas, poderão aumentar o risco de diabetes tipo 2. Pelo contrário, a evidência sugere de forma robusta que fibra e cereais integrais não só diminuem o risco de diabetes tipo 2, como podem ser importantes para controlar a doença, embora os maiores benefícios observam-se no caso de cereais integrais pouco processados.

Referências:

1.
Rivellese A, Riccardi G, Giacco A, Pacioni D, Genovese S, Mattioli PL, et al. Effect of dietary fibre on glucose control and serum lipoproteins in diabetic patients. Lancet. 1980 Aug 30;2(8192):447–50.
1.
Åberg S, Mann J, Neumann S, Ross AB, Reynolds AN. Whole-Grain Processing and Glycemic Control in Type 2 Diabetes: A Randomized Crossover Trial. Diabetes Care [Internet]. 2020 May 14 [cited 2020 Jun 6]; Available from: https://care.diabetesjournals.org/content/early/2020/05/13/dc20-0263
1.
Reynolds AN, Mann J, Elbalshy M, Mete E, Robinson C, Oey I, et al. Wholegrain Particle Size Influences Postprandial Glycemia in Type 2 Diabetes: A Randomized Crossover Study Comparing Four Wholegrain Breads. Diabetes Care [Internet]. 2019 Nov 19 [cited 2020 Jun 6]; Available from: https://care.diabetesjournals.org/content/early/2019/11/18/dc19-1466
1.
Tosh SM, Chu Y. Systematic review of the effect of processing of whole-grain oat cereals on glycaemic response. Br J Nutr. 2015 Oct 28;114(8):1256–62.
1.
Reynolds AN, Akerman AP, Mann J. Dietary fibre and whole grains in diabetes management: Systematic review and meta-analyses. PLOS Medicine [Internet]. 2020 Mar 6 [cited 2020 Jun 6];17(3):e1003053. Available from: https://journals.plos.org/plosmedicine/article?id=10.1371/journal.pmed.1003053
1.
Mann JI. Lawrence lecture. Lines to legumes: changing concepts of diabetic diets. Diabet Med. 1984 Sep;1(3):191–8.
1.
Simpson HC, Simpson RW, Lousley S, Carter RD, Geekie M, Hockaday TD, et al. A high carbohydrate leguminous fibre diet improves all aspects of diabetic control. Lancet. 1981 Jan 3;1(8210):1–5.
1.
Parillo M, Riccardi G, Pacioni D, Iovine C, Contaldo F, Isernia C, et al. Metabolic consequences of feeding a high-carbohydrate, high-fiber diet to diabetic patients with chronic kidney failure. Am J Clin Nutr. 1988 Aug;48(2):255–9.
1.
Riccardi G, Rivellese A, Pacioni D, Genovese S, Mastranzo P, Mancini M. Separate influence of dietary carbohydrate and fibre on the metabolic control in diabetes. Diabetologia. 1984 Feb;26(2):116–21.
1.
Simpson RW, Mann JI, Eaton J, Carter RD, Hockaday TD. High-carbohydrate diets and insulin-dependent diabetics. Br Med J. 1979 Sep 1;2(6189):523–5.
1.
Anderson JW. High carbohydrate, high fiber diets for patients with diabetes. Adv Exp Med Biol. 1979;119:263–73.
1.
Anderson JW, Ward K. Long-term effects of high-carbohydrate, high-fiber diets on glucose and lipid metabolism: a preliminary report on patients with diabetes. Diabetes Care. 1978 Apr;1(2):77–82.
1.
Kempner W, Peschel RL, Schlayer C. Effect of rice diet on diabetes mellitus associated with vascular disease. Postgrad Med. 1958 Oct;24(4):359–71.
1.
Kiehm TG, Anderson JW, Ward K. Beneficial effects of a high carbohydrate, high fiber diet on hyperglycemic diabetic men. Am J Clin Nutr. 1976 Aug;29(8):895–9.
1.
Qin J, Li Y, Cai Z, Li S, Zhu J, Zhang F, et al. A metagenome-wide association study of gut microbiota in type 2 diabetes. Nature. 2012 Oct 4;490(7418):55–60.
1.
Sonnenburg JL, Bäckhed F. Diet-microbiota interactions as moderators of human metabolism. Nature. 2016 07;535(7610):56–64.
1.
Slavin J. Why whole grains are protective: biological mechanisms. Proc Nutr Soc. 2003 Feb;62(1):129–34.
1.
Pereira MA, Jacobs DR, Pins JJ, Raatz SK, Gross MD, Slavin JL, et al. Effect of whole grains on insulin sensitivity in overweight hyperinsulinemic adults. Am J Clin Nutr. 2002 May;75(5):848–55.
1.
Wirström T, Hilding A, Gu HF, Östenson C-G, Björklund A. Consumption of whole grain reduces risk of deteriorating glucose tolerance, including progression to prediabetes. Am J Clin Nutr. 2013 Jan;97(1):179–87.
1.
Roager HM, Vogt JK, Kristensen M, Hansen LBS, Ibrügger S, Mærkedahl RB, et al. Whole grain-rich diet reduces body weight and systemic low-grade inflammation without inducing major changes of the gut microbiome: a randomised cross-over trial. Gut. 2019;68(1):83–93.
1.
Neuenschwander M, Ballon A, Weber KS, Norat T, Aune D, Schwingshackl L, et al. Role of diet in type 2 diabetes incidence: umbrella review of meta-analyses of prospective observational studies. BMJ [Internet]. 2019 Jul 3 [cited 2019 Nov 12];366. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6607211/
1.
Qian F, Liu G, Hu FB, Bhupathiraju SN, Sun Q. Association Between Plant-Based Dietary Patterns and Risk of Type 2 Diabetes: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Intern Med [Internet]. 2019 Jul 22 [cited 2019 Jul 22]; Available from: https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/2738784
1.
Reynolds A, Mann J, Cummings J, Winter N, Mete E, Morenga LT. Carbohydrate quality and human health: a series of systematic reviews and meta-analyses. The Lancet [Internet]. 2019 Jan 10 [cited 2019 Jan 11];0(0). Available from: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(18)31809-9/abstract
1.
Tonstad S, Stewart K, Oda K, Batech M, Herring RP, Fraser GE. Vegetarian diets and incidence of diabetes in the Adventist Health Study-2. Nutr Metab Cardiovasc Dis [Internet]. 2013 Apr [cited 2018 Oct 22];23(4):292–9. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3638849/
1.
Kärkkäinen O, Lankinen MA, Vitale M, Jokkala J, Leppänen J, Koistinen V, et al. Diets rich in whole grains increase betainized compounds associated with glucose metabolism. Am J Clin Nutr [Internet]. [cited 2018 Oct 8]; Available from: https://academic.oup.com/ajcn/advance-article/doi/10.1093/ajcn/nqy169/5106980
1.
Kyrø C, Tjønneland A, Overvad K, Olsen A, Landberg R. Higher Whole-Grain Intake Is Associated with Lower Risk of Type 2 Diabetes among Middle-Aged Men and Women: The Danish Diet, Cancer, and Health Cohort. J Nutr [Internet]. 2018 Sep 1 [cited 2018 Sep 6];148(9):1434–44. Available from: https://academic.oup.com/jn/article/148/9/1434/5054990
1.
Becerra-Tomás N, Díaz-López A, Rosique-Esteban N, Ros E, Buil-Cosiales P, Corella D, et al. Legume consumption is inversely associated with type 2 diabetes incidence in adults: a prospective assessment from the PREDIMED study. Clinical Nutrition [Internet]. 2017 Mar 23 [cited 2017 Mar 31];0(0). Available from: http://www.clinicalnutritionjournal.com/article/S0261-5614(17)30106-1/abstract
1.
Satija A, Bhupathiraju SN, Rimm EB, Spiegelman D, Chiuve SE, Borgi L, et al. Plant-Based Dietary Patterns and Incidence of Type 2 Diabetes in US Men and Women: Results from Three Prospective Cohort Studies. PLOS Med [Internet]. 2016 Jun 14 [cited 2016 Jul 15];13(6):e1002039. Available from: http://journals.plos.org/plosmedicine/article?id=10.1371/journal.pmed.1002039