As dietas hiperproteicas têm atraído muita atenção pelos seus alegados benefícios para a saúde. De facto, a curto prazo essas dietas poderão estar relacionadas com alguns benefícios no controlo do peso e na melhoria de alguns biomarcadores de risco como a glicemia ou a lipidemia .

No entanto, os efeitos a longo prazo para a saúde destes padrões alimentares não são inteiramente conhecidos e poderão mesmo estar associados a vários problemas de saúde e risco de mortalidade. De acordo com os estudos disponíveis, esse risco parece mesmo ser mais evidente quando se trata de proteína animal. Por exemplo, um estudo prospetivo (Rotterdam Study) que acompanhou 7786 participantes ao longo de 13 anos sugere que uma ingestão superior de proteína está associado a um risco superior de mortalidade. Alguns resultados do estudo:

  • Uma ingestão superior de proteína esteve associada a um risco 12% superior de mortalidade;
  • A relação com o risco de mortalidade é explicada maioritariamente pela ingestão superior de proteína animal (especialmente carne e produtos lácteos) e mortalidade por doença cardiovascular (28%);
  • Uma ingestão superior de proteína a partir de leguminosas, frutos secos, vegetais e frutos esteve associada a um risco inferior de mortalidade.

Uma meta-análise a 11 estudos prospetivos, incluindo o Rotterdam Study, que acompanhou 350452 participantes mostrou também uma relação entre a ingestão de proteína e o risco de mortalidade:

  • Uma ingestão superior de proteína animal esteve associada a um risco superior de mortalidade, especialmente por doença cardiovascular;
  • Uma ingestão superior de proteína vegetal esteve associada um risco inferior de mortalidade (7%), especialmente de mortalidade por doença cardiovascular (14%).

O estudo concluiu que os estudos prospetivos publicados até hoje sugerem que a ingestão superior de proteína está associada a um risco superior de mortalidade, explicada maioritariamente pelos efeitos da proteína animal no risco de doença cardiovascular. Por outro lado, a ingestão de proteína vegetal está associada a um risco inferior de mortalidade total e por doença cardiovascular .

Mais recentemente, um novo estudo prospetivo de grandes dimensões reforça a associação entre uma ingestão elevada de proteína, especialmente animal, e o risco de mortalidade . O estudo acompanhou 416104 participantes durante 16 anos, tendo observado os seguintes resultados:

  • Uma ingestão superior de proteína vegetal esteve associada a uma diminuição de 5% no risco de mortalidade;
  • Substituir 3% das calorias de proteína animal por proteína vegetal esteve associado a uma diminuição de 10% no risco de mortalidade total, 11% no risco de mortalidade por doença cardiovascular no caso dos homens e 12% no caso das mulheres;
  • A mortalidade mais baixa foi observada quando se substituiu proteína do ovo por proteína vegetal (diminuição de 24% nos homens e 21% nas mulheres) e proteína de carne vermelha por proteína vegetal (diminuição de 13% nos homens e 15% nas mulheres).

O estudo concluiu que um a ingestão superior de proteína vegetal esteve associada a uma diminuição do risco de mortalidade total e por doença cardiovascular, sendo que a escolha de diferentes fontes de proteína pode influenciar a saúde e a longevidade .

Estudos anteriores também confirmam a relação entre excesso de proteína, especialmente animal, e o risco de mortalidade. Um estudo prospetivo de grandes dimensões que acompanhou 131342 participantes ao longo de 32 anos, concluiu que comer mais proteína vegetal está associado a um risco inferior de mortalidade (10%) e comer mais proteína animal está associado a um risco superior de mortalidade (8%), especialmente entre adultos com pelo menos um comportamento pouco saudável, como fumar, beber álcool ou ser sedentário .

Outro estudo prospetivo seguiu 70696 participantes ao longo de 18 anos tendo concluído que uma ingestão superior de proteína vegetal esteve associada a uma diminuição do risco de mortalidade total (16%) e por doença cardiovascular (30%). Além disso, substituir proteína animal (especialmente carne vermelha e processada) por vegetal esteve associado a uma diminuição do risco de mortalidade total (34%), por cancro (39%) e por doença cardiovascular (42%). Uma ingestão superior de proteínas vegetais poderá por isso contribuir para a saúde a longo prazo e longevidade .

Outro estudo procurou identificar fontes específicas de proteína animal e vegetal e a sua relação com o risco de mortalidade por doença cardiovascular, tendo concluído que o consumo elevado de proteína a partir de carne esteve associado a um risco 61% superior de mortalidade por doença cardiovascular e que o consumo elevado de proteína a partir de frutos secos e sementes esteve associado a um risco 40% inferior de mortalidade por doença cardiovascular .

Um estudo prospetivo que acompanhou 43396 mulheres ao longo de 15 anos, mostrou que aquelas que fizeram uma dieta rica em proteína e pobre em hidratos de carbono tiveram um risco superior de doença cardiovascular .

Não só um rácio superior de proteína animal relativamente a proteína vegetal e consumo elevado de carne poderá estar associado a um risco superior de mortalidade, como esse risco parece ser mais evidente entre aqueles que têm uma doença crónica .

Além disso, um estudo prospetivo que acompanhou 6381 participantes ao longo de 18 anos mostrou que aqueles que fizeram uma dieta mais rica em proteína animal, mas não vegetal, tiveram um risco 4 vezes superior de mortalidade por cancro e 74% de mortalidade total .

Uma meta-análise a 36 estudos clínicos aleatorizados mostrou que substituir carne vermelha por proteínas vegetais de qualidade (mas não peixe ou hidratos de carbono de pouca qualidade), levou a alterações favoráveis nos valores de colesterol e triglicéridos. Os autores do estudo recomendam maior adesão a dietas vegetarianas ou mediterrânica pelos seus benefícios para a saúde mas também por serem mais sustentáveis .

Por outro lado, dietas de base vegetal saudáveis poderão diminuir o risco de mortalidade. Um desses exemplos é a comunidade de Adventistas do Sétimo Dia. O seu padrão alimentar baseia-se no livro bíblico Levítico e enfatiza alimentos vegetais completos como leguminosas, frutos, vegetais, frutos secos e cereais integrais ao mesmo tempo que desencoraja o consumo de produtos animais o mais possível. Além disso abstêm-se de tabaco e de álcool. Nesse sentido, uma grande parte dos Adventistas fazem uma dieta de base vegetal saudável. Cerca de metade desta população faz uma alimentação omnívora, mas com baixo consumo de carne .

As características únicas desta população relativamente aos seus hábitos alimentares e estilo de vida, representam uma oportunidade especial para se estudarem os efeitos da dieta no risco de várias doenças crónicas e das dietas de base vegetal em particular. Embora existam diferenças sobre o consumo ou não de produtos animais, todos tendem a fazer uma dieta cuidada e um estilo de vida saudável. Os vários estudos que foram realizados anteriormente sugerem que os Adventistas na região estudada (Loma Linda, EUA), têm um risco inferior de vários cancros, doença cardiovascular e diabetes. Quando comparado com a população geral da Califórnia, têm também uma esperança de vida maior (vivem em média mais 4,4 anos no caso das mulheres e mais 7,3 anos no caso dos homens) .

Entre os Adventistas, uma dieta vegetariana ou vegana está associada a várias vantagens para a saúde, mesmo quando comparado com dietas omnívoras saudáveis. A ingestão de carne pelos Adventistas tem estado associada a um risco superior de cancro do cólon e doenças cardiovasculares . Os resultados do AHS-2 mostram também que os Adventistas vegetarianos têm IMC menores, menor prevalência de síndrome metabólica, diabetes e hipertensão, menor risco de alguns cancros e de mortalidade, comparativamente com Adventistas omnívoros .

Um estudo mais recente comparou a mortalidade e a incidência de cancro entre os Adventistas incluídos no AHS-2 e a população em geral nos EUA representada nos estudos NLMS e SEER. Foram controladas as variáveis da idade, etnia, sexo, educação e tabagismo. Alguns resultados do estudo:

  • Comparativamente com a população em geral, os Adventistas do AHS-2 tiveram um risco 30% inferior de todos os cancros, 30% inferior de cancro da mama, 16% inferior de cancro colorretal, 50% inferior de cancro retal e 30% inferior do pulmão.
  • Comparativamente com a população em geral, os Adventistas do AHS-2 tiveram um risco 33% inferior de mortalidade total (aos 65 anos) e 22% inferior de mortalidade total (aos 85 anos). Tiveram também um risco 10% inferior de mortalidade por cancro e um risco 40% (aos 65 anos) e 28% (aos 85 anos) inferior de mortalidade por outras causas.

O estudo conclui que os Adventistas do AHS-2 têm um risco inferior de mortalidade (33%) e cancro (30%) comparativamente com a população em geral e que esses efeitos poderão estar relacionados com o estilo de vida e alimentação. Os autores sugerem também que adotar os hábitos de estilo de vida e alimentação dos Adventistas poderá beneficiar a população em geral na prevenção de cancro e diminuição da mortalidade .

Estes resultados são consistentes com resultados dos estudos anteriores que mostraram uma esperança de vida superior e menor risco de cancro entre os Adventistas comparativamente com a população da Califórnia. Esses resultados são observados também em comunidades Adventistas de outros países .

Outro estudo reforça a ideia que padrões alimentares de base vegetal poderão ser protetores contra doenças cardiovasculares e diminuir a mortalidade . Trata-se de um estudo prospetivo no qual foram acompanhados 12168 participantes ao longo de 25 anos. A dieta dos participantes foi classificada de acordo com 4 índices: dieta de base vegetal geral, dieta provegetariana, dieta de base vegetal saudável e dieta de base vegetal menos saudável. Foram observados os seguintes resultados:

  • Aqueles que tiveram pontuações mais altas no índice de dieta de vegetal ou provegetariano tiveram um risco inferior de doença cardiovascular (16%), de mortalidade por doença cardiovascular (31 a 32%) e mortalidade total (18 a 25%);
  • Uma maior adesão ao índice de dieta de base vegetal saudável esteve associado a um risco inferior de mortalidade por doença cardiovascular (19%) e mortalidade total (11%);
  • Aqueles que consumiram mais produtos animais tiveram um risco superior de doenças cardiovasculares (14%), mortalidade por doenças cardiovasculares (30%) e mortalidade total (12%).

Todos os resultados foram ajustados para os principais confundidores. O estudo concluiu que na população em geral, dietas de base vegetal (ricas em produtos vegetais e pobres em produtos animais) poderá diminuir o risco de doenças cardiovascular e mortalidade .

Também um estudo clínico aleatorizado com 7216 participantes com risco elevado de DCV acompanhados ao longo de 4 anos (PREDIMED) mostrou que aqueles que fizeram uma dieta de base vegetal tiveram um diminuição de 41% no risco de mortalidade .

A associação entre proteína animal e a mortalidade pode em parte ser explicada pela presença de aminoácidos de cadeia ramificada e aromáticos, assim como outros componentes presentes na proteína animal como gorduras saturadas, carnitina ou contaminantes como aminas heterocíclicas. A proteína animal é muito rica em aminoácidos ramificados e aromáticos, os quais podem promover resistência à insulina e excesso de peso ao estimularem a via de mTOR .

Esses aminoácidos, como a leucina, promovem também a formação de placa de aterosclerose ao estimularem a via metabólica mTOR dos macrófagos, inibindo a autofagia mitocondrial (mitofagia), o que leva a uma grande quantidade de macrófagos mortos no ateroma, tornando-o extremamente instável e com tendência à rutura .

O mTOR funciona como um regulador central do crescimento e proliferação celular e quando estimulado, promove o crescimento celular e inibe a capacidade da células reciclar componentes danificados (autofagia). O mTOR é ativado na presença de glicose, energia, fatores de crescimento e aminoácidos, em especial a leucina. A leucina existe em quantidades particularmente altas em alimentos de origem animal como as carnes ou os produtos lácteos e baixas em alimentos vegetais como cereais integrais, o que pode explicar em parte porque dietas ricas em proteína animal, especialmente carnes vermelhas, poderão aumentar o risco de doença cardiovascular.

Um estudo que incluiu 11576 participantes sugere que dietas com níveis elevados de metionina e cisteína possam aumentar o risco de doenças cardiometabólicas. De acordo com os resultados, aqueles que fizeram uma ingestão superior de aminoácidos sulfurados como metionina e cisteína tiveram um aumento dos níveis de fatores de risco de doenças cardiometabólicas, tais como colesterol, triglicéridos, proteína C-reativa, ácido úrico, glicose, insulina e hemoglobina glicada.

O estudo mostrou também que na população estudada dos EUA, a ingestão de MET e CIS é cerca de 2,5 vezes superior da necessidade média necessária, dando-nos conta também que dietas pobres em aminoácidos sulfurados têm maior quantidade de proteína de origem vegetal do que animal. Por outras palavras, dietas de base vegetal são naturalmente baixas em MET e CIS .

Sendo um dos nutrientes essenciais, a ingestão de referência populacional (PRI) de MET e CIS são de 12,2 mg/kg/dia no caso da metionina e 6,6 mg/kg/dia no caso da cisteína. O aminoácido metionina encontra-se naturalmente presente em grandes concentrações em alimentos de origem animal como: peixe, galinha, porco, queijo, peru, carne vermelha, ovos, entre outros. Por outro lado, uma dieta de base vegetal, especialmente no caso das veganas, é naturalmente baixa em metionina .

A proteína, embora seja composta essencialmente por aminoácidos essenciais para a saúde, tem concentrações diferentes desses aminoácidos em fontes animais ou vegetais, os quais têm efeitos para a saúde e mortalidade. A proteína vegetal, além de ter quantidades inferiores de aminoácidos associados a problemas de saúde, é acompanhada de fibra e outros componentes fundamentais na prevenção de doenças crónicas.

Referências:

1.
Huang J, Liao LM, Weinstein SJ, Sinha R, Graubard BI, Albanes D. Association Between Plant and Animal Protein Intake and Overall and Cause-Specific Mortality. JAMA Intern Med [Internet]. 2020 Jul 13 [cited 2020 Jul 21]; Available from: https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/2768358
1.
Berkel J, de WAARD F. Mortality Pattern and Life Expectancy of Seventh-Day Adventists in the Netherlands. Int J Epidemiol [Internet]. 1983 Jan 1 [cited 2020 Apr 28];12(4):455–9. Available from: https://academic.oup.com/ije/article/12/4/455/685295
1.
Fønnebø V. Mortality in Norwegian Seventh-Day Adventists 1962-1986. J Clin Epidemiol. 1992 Feb;45(2):157–67.
1.
Jensen OM. Cancer risk among Danish male Seventh-Day Adventists and other temperance society members. J Natl Cancer Inst. 1983 Jun;70(6):1011–4.
1.
Ness A. Diet, Life Expectancy and Chronic Disease. Studies of Seventh-Day Adventists and Other Vegetarians. Gary E Fraser. Oxford: Oxford University Press, 2003, pp. 371, £39.95 (HB). ISBN: 0-19-511324-1. Int J Epidemiol [Internet]. 2004 Jun 1 [cited 2020 Apr 28];33(3):620–1. Available from: https://academic.oup.com/ije/article/33/3/620/716667
1.
Kent LM, Morton DP, Ward EJ, Rankin PM, Ferret RB, Gobble J, et al. The Influence of Religious Affiliation on Participant Responsiveness to the Complete Health Improvement Program (CHIP) Lifestyle Intervention. J Relig Health [Internet]. 2016 [cited 2020 Apr 28];55:1561–73. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4956692/
1.
Martins MCT, Jaceldo-Siegl K, Orlich M, Fan J, Mashchak A, Fraser GE. A New Approach to Assess Lifetime Dietary Patterns Finds Lower Consumption of Animal Foods with Aging in a Longitudinal Analysis of a Health-Oriented Adventist Population. Nutrients [Internet]. 2017 Oct 13 [cited 2020 Apr 28];9(10). Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5691734/
1.
Solon-Biet SM, Cogger VC, Pulpitel T, Wahl D, Clark X, Bagley E, et al. Branched chain amino acids impact health and lifespan indirectly via amino acid balance and appetite control. Nat Metab. 2019 May;1(5):532–45.
1.
Lynch CJ, Adams SH. Branched-chain amino acids in metabolic signalling and insulin resistance. Nat Rev Endocrinol. 2014 Dec;10(12):723–36.
1.
Lin Y, Bolca S, Vandevijvere S, De Vriese S, Mouratidou T, De Neve M, et al. Plant and animal protein intake and its association with overweight and obesity among the Belgian population. Br J Nutr. 2011 Apr;105(7):1106–16.
1.
Chen Z, Franco OH, Lamballais S, Ikram MA, Schoufour JD, Muka T, et al. Associations of specific dietary protein with longitudinal insulin resistance, prediabetes and type 2 diabetes: The Rotterdam Study. Clin Nutr. 2020 Jan;39(1):242–9.
1.
Chen Z, Glisic M, Song M, Aliahmad HA, Zhang X, Moumdjian AC, et al. Dietary protein intake and all-cause and cause-specific mortality: results from the Rotterdam Study and a meta-analysis of prospective cohort studies. Eur J Epidemiol [Internet]. 2020 Feb 19 [cited 2020 Mar 26]; Available from: https://doi.org/10.1007/s10654-020-00607-6
1.
Dong J-Y, Zhang Z-L, Wang P-Y, Qin L-Q. Effects of high-protein diets on body weight, glycaemic control, blood lipids and blood pressure in type 2 diabetes: meta-analysis of randomised controlled trials. Br J Nutr. 2013 Sep 14;110(5):781–9.
1.
Santesso N, Akl EA, Bianchi M, Mente A, Mustafa R, Heels-Ansdell D, et al. Effects of higher- versus lower-protein diets on health outcomes: a systematic review and meta-analysis. European Journal of Clinical Nutrition [Internet]. 2012 Jul [cited 2020 Mar 26];66(7):780–8. Available from: https://www.nature.com/articles/ejcn201237
1.
Leidy HJ, Clifton PM, Astrup A, Wycherley TP, Westerterp-Plantenga MS, Luscombe-Marsh ND, et al. The role of protein in weight loss and maintenance. Am J Clin Nutr [Internet]. 2015 Jun 1 [cited 2020 Mar 26];101(6):1320S-1329S. Available from: https://academic.oup.com/ajcn/article/101/6/1320S/4564492
1.
Westerterp-Plantenga MS, Lemmens SG, Westerterp KR. Dietary protein - its role in satiety, energetics, weight loss and health. Br J Nutr. 2012 Aug;108 Suppl 2:S105-112.
1.
Zhang X, Sergin I, Evans TD, Jeong S-J, Rodriguez-Velez A, Kapoor D, et al. High-protein diets increase cardiovascular risk by activating macrophage mTOR to suppress mitophagy. Nature Metabolism [Internet]. 2020 Jan [cited 2020 Mar 2];2(1):110–25. Available from: https://www.nature.com/articles/s42255-019-0162-4
1.
Cavuoto P, Fenech MF. A review of methionine dependency and the role of methionine restriction in cancer growth control and life-span extension. Cancer Treat Rev. 2012 Oct;38(6):726–36.
1.
Dong Z, Gao X, Chinchilli VM, Sinha R, Muscat J, Winkels RM, et al. Association of sulfur amino acid consumption with cardiometabolic risk factors: Cross-sectional findings from NHANES III. EClinicalMedicine [Internet]. 2020 Feb 3 [cited 2020 Feb 10];0(0). Available from: https://www.thelancet.com/journals/eclinm/article/PIIS2589-5370(19)30257-3/abstract
1.
Lagiou P, Sandin S, Lof M, Trichopoulos D, Adami H-O, Weiderpass E. Low carbohydrate-high protein diet and incidence of cardiovascular diseases in Swedish women: prospective cohort study. BMJ [Internet]. 2012 Jun 26 [cited 2020 Feb 2];344. Available from: https://www.bmj.com/content/344/bmj.e4026
1.
Fraser GE, Shavlik DJ. Ten Years of Life: Is It a Matter of Choice? Arch Intern Med [Internet]. 2001 Jul 9 [cited 2019 Dec 4];161(13):1645–52. Available from: https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/648593
1.
Tharrey M, Mariotti F, Mashchak A, Barbillon P, Delattre M, Fraser GE. Patterns of plant and animal protein intake are strongly associated with cardiovascular mortality: the Adventist Health Study-2 cohort. Int J Epidemiol [Internet]. 2018 Oct [cited 2019 Dec 4];47(5):1603–12. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6658814/
1.
Butler TL, Fraser GE, Beeson WL, Knutsen SF, Herring RP, Chan J, et al. Cohort Profile: The Adventist Health Study-2 (AHS-2). Int J Epidemiol [Internet]. 2008 Apr 1 [cited 2019 Dec 4];37(2):260–5. Available from: https://academic.oup.com/ije/article/37/2/260/786358
1.
Fraser GE, Cosgrove CM, Mashchak AD, Orlich MJ, Altekruse SF. Lower rates of cancer and all-cause mortality in an Adventist cohort compared with a US Census population. Cancer. 2019 Nov 25;
1.
Budhathoki S, Sawada N, Iwasaki M, Yamaji T, Goto A, Kotemori A, et al. Association of Animal and Plant Protein Intake With All-Cause and Cause-Specific Mortality. JAMA Intern Med [Internet]. 2019 Aug 26 [cited 2019 Aug 30]; Available from: https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/2748453
1.
Kim Hyunju, Caulfield Laura E., Garcia‐Larsen Vanessa, Steffen Lyn M., Coresh Josef, Rebholz Casey M. Plant‐Based Diets Are Associated With a Lower Risk of Incident Cardiovascular Disease, Cardiovascular Disease Mortality, and All‐Cause Mortality in a General Population of Middle‐Aged Adults. Journal of the American Heart Association [Internet]. 2019 Aug 20 [cited 2019 Aug 7];8(16):e012865. Available from: https://www.ahajournals.org/doi/full/10.1161/JAHA.119.012865
1.
Virtanen HEK, Voutilainen S, Koskinen TT, Mursu J, Kokko P, Ylilauri MPT, et al. Dietary proteins and protein sources and risk of death: the Kuopio Ischaemic Heart Disease Risk Factor Study. Am J Clin Nutr [Internet]. 2019 [cited 2019 Apr 12]; Available from: https://academic.oup.com/ajcn/advance-article/doi/10.1093/ajcn/nqz025/5435773
1.
Guasch-Ferré Marta, Satija Ambika, Blondin Stacy A., Janiszewski Marie, Emlen Ester, O’Connor Lauren E., et al. Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials of Red Meat Consumption in Comparison With Various Comparison Diets on Cardiovascular Risk Factors. Circulation [Internet]. 2019 Apr 9 [cited 2019 Apr 10];139(15):1828–45. Available from: https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/CIRCULATIONAHA.118.035225
1.
Alshahrani SM, Fraser GE, Sabaté J, Knutsen R, Shavlik D, Mashchak A, et al. Red and Processed Meat and Mortality in a Low Meat Intake Population. Nutrients [Internet]. 2019 Mar [cited 2019 Mar 29];11(3):622. Available from: https://www.mdpi.com/2072-6643/11/3/622
1.
Martínez-González MA, Sánchez-Tainta A, Corella D, Salas-Salvadó J, Ros E, Arós F, et al. A provegetarian food pattern and reduction in total mortality in the Prevención con Dieta Mediterránea (PREDIMED) study. Am J Clin Nutr [Internet]. 2014 Jul 1 [cited 2019 Jan 7];100(suppl_1):320S-328S. Available from: https://academic.oup.com/ajcn/article/100/suppl_1/320S/4576429
1.
Levine ME, Suarez JA, Brandhorst S, Balasubramanian P, Cheng C-W, Madia F, et al. Low Protein Intake Is Associated with a Major Reduction in IGF-1, Cancer, and Overall Mortality in the 65 and Younger but Not Older Population. Cell Metabolism [Internet]. 2014 Mar 4 [cited 2016 Mar 2];19(3):407–17. Available from: http://www.cell.com/article/S155041311400062X/abstract
1.
Orlich MJ, Singh PN, Sabaté J, Jaceldo-Siegl K, Fan J, Knutsen S, et al. Vegetarian Dietary Patterns and Mortality in Adventist Health Study 2. JAMA Intern Med [Internet]. 2013 Jul 8 [cited 2015 Jul 16];173(13):1230–8. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4191896/
1.
Singh PN, Fraser GE. Dietary risk factors for colon cancer in a low-risk population. Am J Epidemiol. 1998 Oct 15;148(8):761–74.