A relação entre o consumo de ovos e a saúde não é linear, com vários estudos a chegar a conclusões contraditórias. Os ovos têm estado tradicionalmente associados ao risco de doenças cardiovasculares por serem fonte de colesterol. No entanto, o colesterol obtido através da dieta tem menos efeito sobre os valores de colesterol LDL no sangue do que a gordura saturada, facto que levou a que as recomendações alimentares nos EUA em 2015 deixassem de considerar o colesterol nos alimentos um fator de preocupação.

No entanto, o mesmo relatório recomendava também que se deve consumir a menor quantidade possível de colesterol no contexto de um padrão alimentar saudável. O facto é que grande parte dos estudos estudos mais recentes são financiados pela indústria dos ovos, o que poderá enviesar os resultados, menorizando os reais efeitos do colesterol sobre os níveis de LDL e por conseguinte do risco de doenças cardiovasculares.

Uma revisão sistemática procurou identificar a fonte de financiamento dos estudos sobre o efeito dos ovos no colesterol desde os anos 50 . Dos 153 estudos incluídos na revisão, entre 2010 e 2019, 60% dos estudos foram financiados pela indústria, em contraste com o que acontecia entre os anos 50 e os anos 70, em que nenhum estudo foi financiado pela indústria dos ovos. De seguida, os autores da revisão procuraram perceber se o financiamento enviesava os resultados dos estudos. Tanto nos estudos não financiados pela indústria (93%) como financiados (86%), houve uma associação entre a ingestão de ovos e uma subida do colesterol. No entanto, os estudos financiados pela indústria mais frequentemente desvalorizavam esses resultados, ou seja, mesmo que houvesse uma subida dos níveis de colesterol, muitos desses estudos concluíram que os ovos não tinham efeitos, muitas das vezes por não terem significância estatística .

Por um exemplo, um estudo de 2014 concluiu que 400mg/dia de colesterol não esteve associado a diferenças nos níveis de LDL. No entanto, embora não houvesse significância estatística, houve um aumento de 15mg/dl de colesterol LDL .

Uma das formas de se chegar a resultados assim, passa por financiar estudos com amostras pequenas, nas quais é menos provável chegar a resultados com significância estatística, como foi o caso. Para saber mais como a indústria influencia os resultados dos estudos:

Além disso, a contradição que se observou nas recomendações alimentares dos EUA surge frequentemente quando isolamos um componente da alimentação e perdemos de vista o conjunto dos alimentos. Não é difícil de perceber o contrassenso de por um lado não limitar o consumo de colesterol, mas por outro diminuir o consumo de outros fatores de risco como as gorduras saturadas, as quais aumentam de forma clara o risco de colesterol elevado e de doença cardiovascular. O problema é que os alimentos ricos em colesterol são geralmente também ricos em gordura saturada, por isso será sempre preferível fazer recomendações orientadas para alimentos do que para nutrientes.

Por outro lado, quando isolamos um alimento do resto da alimentação, podemos incorrer no mesmo erro. Os alimentos não são ingeridos isoladamente e estão integrados num conjunto de outros alimentos e de comportamentos de risco. Por isso é tão difícil fazer investigação em nutrição. Para identificarmos os efeitos de um determinado elemento, temos de controlar todas as outras variáveis. Por exemplo, quem consome mais vegetais tem também geralmente outros comportamentos saudáveis como não fumar ou fazer exercício, os quais poderão ser determinantes para os efeitos protetores dessa alimentação.

Comer ovos ou não comer ovos vai depender do resto da alimentação e do peso que têm no conjunto das refeições. Se por um lado comemos ovos ao pequeno almoço em vez de cereais refinados cheios de açúcar, comer ovos poderá ser mais saudável. Se por outro lado, comemos ovos em vez de cereais integrais, frutos secos e leguminosas, então nesse caso diminuímos a qualidade da dieta.

O que substituímos por um determinado alimento vai determinar os correspondentes efeitos para a saúde. Isso está bem expresso, por exemplo, num estudo prospetivo de grandes dimensões que acompanhou 131342 participantes ao longo de 32 anos, tendo concluído que comer mais proteína vegetal (leguminosas, frutos secos e cereais integrais) está associado a um risco inferior de mortalidade (10%) e comer mais proteína animal (carne vermelha, aves, peixe, ovos e laticínios) está associado a um risco superior de mortalidade (8%). Especificamente, substituir 3% das calorias de proteína animal a partir de ovo por proteína vegetal esteve associado a uma redução de 19% no risco de mortalidade de todas as causas .

Outro estudo prospetivo com 416104 participantes acompanhados ao longo de 16 anos mostrou também que uma ingestão superior de proteína vegetal esteve associada a uma diminuição de 5% no risco de mortalidade e que substituir 3% das calorias de proteína animal por proteína vegetal esteve associado a um risco 10% inferior de mortalidade total. Além disso, a mortalidade mais baixa foi observada quando se substituiu proteína do ovo por proteína vegetal e proteína de carne vermelha por proteína vegetal .

Estes resultados estão aliás de acordo com o que o próprio relatório da Comissão Científica responsável pelas recomendações alimentares dos EUA recomenda como os três padrões alimentares consistentes com uma redução de risco de doenças cardiovasculares, hipertensão, acidente vascular cerebral, diabetes e alguns cancros: dieta ocidental saudável, dieta vegetariana saudável e dieta mediterrânica saudável .

Anteriormente, uma revisão sistemática e meta-análise a 112 estudos clínicos aleatorizados mostrou que substituir uma a duas porções de proteínas animais por proteínas vegetais todos os dias pode levar a uma redução nos três principais marcadores de colesterol relacionados com a prevenção de doenças cardiovasculares (LDL, colesterol não-HDL e ApoB) . O estudo concluiu que a evidência disponível a partir de estudos clínicos aleatorizados sugerem que uma a duas porções de proteína vegetal em substituição de proteína animal (carne, produtos lácteos e ovos) diminui o colesterol LDL, o colesterol não-HDL e a apoliproteína B em cerca de 4% em adultos com ou sem hiperlipidémia. Por outras palavras, se comer mais ovos e menos açúcares livres e farinhas refinadas, haverá vantagem para a saúde. Mas se em vez de ovos comer mais leguminosas, frutos secos e cereais integrais, então será ainda mais benéfico na prevenção de doenças crónicas.

Relativamente aos efeitos dos ovos para a saúde, existem resultados contraditórios, alguns mostrando aumentar o risco de doenças cardiovasculares ou mortalidade, outros diminuindo ou sem efeito . Estes resultados devem-se a problemas em controlar todos os confundidores presentes na dieta, ou seja, outros elementos que poderão confundir os resultados, como os hábitos de estilo de vida associados ao consumo de ovos e os alimentos que fazem parte da dieta total. Por exemplo, em alguns países é comum acompanhar os ovos com carnes processadas, o que necessariamente eleva o risco de algumas doenças. Além disso, os estudos anteriores têm amostras pouco variadas e um período de acompanhamento curto.

Para tentar esclarecer a relação entre a ingestão de colesterol e o risco de mortalidade e doenças cardiovasculares, foi realizado um estudo prospetivo que acompanhou 29615 participantes ao longo de 17 anos, tendo sido observado os seguintes resultados:

  • Por cada 300 mg de colesterol ingerido diariamente houve um risco 17% superior de doença cardiovascular e um risco 18% superior de mortalidade total;
  • Por cada meio ovo ingerido diariamente houve um risco 6% superior de doença cardiovascular um risco 8% superior de mortalidade total.

De acordo com os resultados, o estudo concluiu que uma ingestão elevada de colesterol ou ovos poderá aumentar o risco de doença cardiovascular e mortalidade, sendo que esse risco é proporcional à dose ingerida . O colesterol está presente exclusivamente em produtos animais como carne vermelha, carne processada e produtos lácteos gordos, sendo que os ovos, especificamente a gema de um ovo contém cerca de 186 mg de colesterol. Este estudo procurou controlar melhor todas as variáveis confundidoras, tendo mostrado que o risco de mortalidade e doença cardiovascular devido ao consumo de colesterol de qualquer fonte foi independente do resto da dieta e do exercício físico, ou seja, mesmo no contexto de uma dieta saudável, consumir ovos ou outra fonte de colesterol parece aumentar esse risco. Por outro lado, este estudo tem algumas limitações que poderão enviesar os resultados. Nomeadamente o estudo baseia-se numa única recolha de hábitos alimentares dos participantes, não levando em consideração eventuais alterações nesses hábitos ao longo da duração do estudo.

Anteriormente, uma meta-análise a 55 estudos clínicos aleatorizados mostrou que por cada 100 mg de colesterol por dia (cerca de meio ovo), houve um aumento de 4,5 mg/dl de colesterol LDL .

Mais recentemente, um estudo prospetivo acompanhou 521120 participantes, ao longo de 16 anos, tendo sido observado os seguintes resultados :

  • A ingestão de ovos inteiros e de colesterol esteve associada ao risco superior de mortalidade total, por doença cardiovascular e por cancro;
  • Por cada 1/2 ovo inteiro ingerido por dia houve um risco 7% superior de mortalidade total, 7% de mortalidade por DCV e 7% de mortalidade por cancro;
  • Por cada 300 mg adicionais de colesterol ingerido por dia houve um risco 19%, 16% e 24% superior de mortalidade total, por DCV e por cancro, respetivamente;
  • A ingestão de colesterol associada à ingestão de ovos inteiros contribuiu para 63,2%, 62,3% e 49,6% da mortalidade total, por DCV e por cancro, respetivamente;
  • Aqueles que substituíram os ovos inteiros por outros alimentos ou claras de ovos tiveram um risco inferior de mortalidade total e mortalidade por AVC, cancro, doenças respiratórias e doença de Alzheimer.

O estudo conclui que a ingestão de ovos e colesterol esteve associada a um risco superior de mortalidade total, por DCV e por cancro e que essa associação foi fortemente influenciada pela ingestão de colesterol. Substituir ovos por proteína vegetal e fontes alternativas de proteína ou claras de ovos poderá diminuir a mortalidade total, por DCV, cancro ou doenças respiratórias .

De acordo com os autores, qual o significado deste estudo?

  • As atuais recomendações relativas à ingestão de ovos e colesterol pode levar a um aumento da ingestão de colesterol, o que poderá ser prejudicial para a prevenção de morte prematura;
  • Os profissionais de saúde e decisores políticos deveriam reforçar a limitação da ingestão de colesterol, com base nestes resultados;
  • Deveria ser recomendada a substituição de ovos inteiros por fontes de proteína alternativas ou claras de ovos para melhorar a saúde cardiovascular e diminuir a mortalidade.

A relação entre níveis elevados de LDL e risco superior de doença cardiovascular (DCV) está muito bem fundamentada e não é hoje motivo de discussão através de diferentes tipos de estudos :

  1. Epidemiológicos: estudos prospetivos mostram que níveis elevados de LDL estão associados a um risco superior de DCV;
  2. Genéticos: pessoas com níveis elevados de LDL por razões genéticas têm um risco superior de DCV;
  3. Farmacológicos: fármacos que reduzem a formação de LDL diminuem o risco de DCV;
  4. Mecanismos: os macrófagos presentes nas placas de ateroma atraem partículas de LDL formando células de espuma.

Relativamente ao consumo de ovos, alguns estudos sugerem outros problemas associados, nomeadamente risco de cancros gastrointestinais, cancro da próstata e diabetes:

  • Um estudo prospetivo que acompanhou 27607 homens ao longo de 14 anos mostrou que ingerir 2,5 ovos por semana esteve associado a um risco 81% superior de cancro da próstata letal .
  • Uma meta-análise que incluiu 424867 participantes mostrou que ingerir menos de 3 ovos por semana esteve associado a um risco 13% superior de cancros gastrointestinais; ingerir mais do que 5 ovos por semana esteve associado a um risco 19% superior de cancros gastrointestinais e a um risco 42% superior de cancro do colon .
  • Uma análise que incluiu 15 estudos prospetivos mostrou que ingerir meio ovo por dia esteve associado a um risco 14% superior de cancro da próstata letal .
  • Uma meta-análise a 10 estudos prospetivos com 251213 participantes mostrou que ingerir 1 ovo por dia esteve associado a um risco 13% superior de diabetes tipo 2 e no caso dos EUA esteve associado a um risco 47% superior de diabetes tipo 2 .

Mais recentemente, um estudo com 8545 participantes acompanhados ao longo de 18 anos mostrou que aqueles que ingeriram 1 ou mais ovos por dia tiveram um risco 60% superior de diabetes tipo 2. Mesmo quantidades baixas como 38g de ovo por dia esteve associado a um risco 25% superior de diabetes tipo 2 .

Por último, hoje cada vez conhecemos os efeitos para a saúde mas também para o ambiente de uma dieta de base vegetal. Nesse sentido, reduzir ao mínimo todos os produtos animais e aumentar o consumo de produtos vegetais de qualidade é fundamental não para a prevenção de doenças crónicas mas também para diminuir o impacto ambiental da alimentação e combater a crise climática. De acordo com as recomendações do relatório EAT-Lancet para uma dieta de saúde planetária, não deveríamos ultrapassar os 13 g de ovos por dia, o que significa não comer mais do que 1,5 ovos por semana.

Tal como todos os outros produtos animais, os ovos devem ser vistos como um alimento opcional para ser ingerido em pequenas quantidades. Só assim conseguimos atingir os objetivos não só de saúde mas também de sustentabilidade. Para isso devemos centrar as nossas refeições em alimentos como leguminosas, frutos secos, cereais integrais, vegetais, frutos e sementes. E claro, podemos sempre substituir os ovos mexidos matinais por tofu mexido e os ovos dos bolos por linhaça moída em água!

Referências:

1.
Zhuang P, Wu F, Mao L, Zhu F, Zhang Y, Chen X, et al. Egg and cholesterol consumption and mortality from cardiovascular and different causes in the United States: A population-based cohort study. PLOS Medicine [Internet]. 2021 fev [cited 2021 Feb 10];18(2):e1003508. Available from: https://journals.plos.org/plosmedicine/article?id=10.1371/journal.pmed.1003508
1.
van der Made SM, Kelly ER, Berendschot TTJM, Kijlstra A, Lütjohann D, Plat J. Consuming a buttermilk drink containing lutein-enriched egg yolk daily for 1 year increased plasma lutein but did not affect serum lipid or lipoprotein concentrations in adults with early signs of age-related macular degeneration. J Nutr. 2014 Sep;144(9):1370–7.
1.
Wang Y, Li M, Shi Z. Higher egg consumption associated with increased risk of diabetes in Chinese adults – China Health and Nutrition Survey. British Journal of Nutrition [Internet]. 2020 [cited 2020 Nov 15];1–8. Available from: https://www.cambridge.org/core/journals/british-journal-of-nutrition/article/higher-egg-consumption-associated-with-increased-risk-of-diabetes-in-chinese-adults-china-health-and-nutrition-survey/C86D80672A65B06F1220BC3691C18296
1.
Huang J, Liao LM, Weinstein SJ, Sinha R, Graubard BI, Albanes D. Association Between Plant and Animal Protein Intake and Overall and Cause-Specific Mortality. JAMA Intern Med [Internet]. 2020 Jul 13 [cited 2020 Jul 21]; Available from: https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/2768358
1.
Vincent MJ, Allen B, Palacios OM, Haber LT, Maki KC. Meta-regression analysis of the effects of dietary cholesterol intake on LDL and HDL cholesterol. Am J Clin Nutr [Internet]. 2019 Jan 1 [cited 2019 Dec 17];109(1):7–16. Available from: https://academic.oup.com/ajcn/article/109/1/7/5266898
1.
Barnard ND, Long MB, Ferguson JM, Flores R, Kahleova H. Industry Funding and Cholesterol Research: A Systematic Review. American Journal of Lifestyle Medicine [Internet]. 2019 Dec 11 [cited 2019 Dec 17];1559827619892198. Available from: https://doi.org/10.1177/1559827619892198
1.
Budhathoki S, Sawada N, Iwasaki M, Yamaji T, Goto A, Kotemori A, et al. Association of Animal and Plant Protein Intake With All-Cause and Cause-Specific Mortality. JAMA Intern Med [Internet]. 2019 Aug 26 [cited 2019 Aug 30]; Available from: https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/2748453
1.
Khawaja O, Singh H, Luni F, Kabour A, Ali SS, Taleb M, et al. Egg Consumption and Incidence of Heart Failure: A Meta-Analysis of Prospective Cohort Studies. Front Nutr. 2017;4:10.
1.
Li Y, Zhou C, Zhou X, Li L. Egg consumption and risk of cardiovascular diseases and diabetes: a meta-analysis. Atherosclerosis. 2013 Aug;229(2):524–30.
1.
Xu L, Lam TH, Jiang CQ, Zhang WS, Zhu F, Jin YL, et al. Egg consumption and the risk of cardiovascular disease and all-cause mortality: Guangzhou Biobank Cohort Study and meta-analyses. Eur J Nutr [Internet]. 2019 Mar 1 [cited 2019 Mar 31];58(2):785–96. Available from: https://doi.org/10.1007/s00394-018-1692-3
1.
Rong Y, Chen L, Zhu T, Song Y, Yu M, Shan Z, et al. Egg consumption and risk of coronary heart disease and stroke: dose-response meta-analysis of prospective cohort studies. BMJ. 2013 Jan 7;346:e8539.
1.
Shin JY, Xun P, Nakamura Y, He K. Egg consumption in relation to risk of cardiovascular disease and diabetes: a systematic review and meta-analysis. Am J Clin Nutr. 2013 Jul;98(1):146–59.
1.
Zhong VW, Horn LV, Cornelis MC, Wilkins JT, Ning H, Carnethon MR, et al. Associations of Dietary Cholesterol or Egg Consumption With Incident Cardiovascular Disease and Mortality. JAMA [Internet]. 2019 Mar 19 [cited 2019 Mar 16];321(11):1081–95. Available from: https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2728487
1.
Tamez M, Virtanen JK, Lajous M. Egg consumption and risk of incident type 2 diabetes: a dose-response meta-analysis of prospective cohort studies. Br J Nutr. 2016;115(12):2212–8.
1.
Li SS, Mejia SB, Lytvyn L, Stewart SE, Viguiliouk E, Ha V, et al. Effect of Plant Protein on Blood Lipids: A Systematic Review and Meta‐Analysis of Randomized Controlled Trials. Journal of the American Heart Association [Internet]. 2017 Dec 1 [cited 2017 Dec 23];6(12):e006659. Available from: http://jaha.ahajournals.org/content/6/12/e006659
1.
Wu K, Spiegelman D, Hou T, Albanes D, Allen NE, Berndt SI, et al. Associations between unprocessed red and processed meat, poultry, seafood and egg intake and the risk of prostate cancer: A pooled analysis of 15 prospective cohort studies. Int J Cancer [Internet]. 2016 May 15 [cited 2016 Jul 22];138(10):2368–82. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4837898/
1.
Sacks FM, Lichtenstein AH, Wu JHY, Appel LJ, Creager MA, Kris-Etherton PM, et al. Dietary Fats and Cardiovascular Disease: A Presidential Advisory From the American Heart Association. Circulation [Internet]. 2017 Jan 1 [cited 2017 Jun 15];CIR.0000000000000510. Available from: http://circ.ahajournals.org/content/early/2017/06/15/CIR.0000000000000510
1.
Millen BE, Abrams S, Adams-Campbell L, Anderson CA, Brenna JT, Campbell WW, et al. The 2015 Dietary Guidelines Advisory Committee Scientific Report: Development and Major Conclusions. Adv Nutr. 2016 May;7(3):438–44.
1.
Richman EL, Kenfield SA, Stampfer MJ, Giovannucci EL, Chan JM. Egg, red meat, and poultry intake and risk of lethal prostate cancer in the prostate-specific antigen-era: incidence and survival. Cancer Prev Res (Phila). 2011 Dec;4(12):2110–21.
1.
Tse G, Eslick GD. Egg consumption and risk of GI neoplasms: dose-response meta-analysis and systematic review. Eur J Nutr. 2014 Feb 6;