Uma doença infecciosa com proporções epidémicas como a COVID-19 tem, antes de mais, de ser controlada por medidas de higiene e prevenção. No entanto, também é sabido que fatores de risco associados ao estilo de vida parecem ter um papel importante no risco de doença grave e mortalidade por COVID-19. Em especial, a obesidade, diabetes tipo 2, doença cardiovascular e hipertensão estão associados a um risco superior de COVID-19 severa .

Estes fatores de risco estão fortemente relacionados com estilos de vida e dietas de risco, sendo que fatores nutricionais têm um papel importante no adequado funcionamento da imunidade. Em particular, uma adequada ingestão de vitaminas A, B6, B12, C, E, vitamina D, folato, zinco, ferro, selénio, cobre e óemega-3 parecem ser fundamentais para um sistema imunitário funcional .

Nesse sentido, uma dieta equilibrada e saudável deverá ser relevante para diminuir o risco de formas mais graves da COVID-19. Para testar essa hipótese, um estudo observacional acompanhou e analisou as dietas de 2884 profissionais de saúde com elevada exposição a casos de COVID-19 de 6 países (França, Alemanha, Itália, Espanha, Reino Unido e EUA). Depois de serem controlados vários confundidores, observaram-se os seguintes resultados:

  • Dietas de base vegetal tiveram um risco 73% inferior de COVID-19 severa;
  • Dietas pescetarianas tiveram um risco 59% inferior de COVID-19 severa;
  • Comparativamente com aqueles que fizeram uma dieta de base vegetal, aqueles que fizeram uma dieta baixa em hidratos de carbono e ricas em proteínas (low carb, high protein) tiveram um risco 286% superior de COVID-19 severa.

O estudo concluiu que dietas de base vegetal ou pescetarianas poderão diminuir o risco de COVID-19 mais grave. Por outro lado, dietas pobres em hidratos de carbono e ricas em proteína poderão estar associadas a um risco superior de COVID-10 grave, comparativamente com dietas de base vegetal. Aqueles que relataram seguir uma dieta de base vegetal ou pescetariana ingeriram mais vegetais, leguminosas e frutos secos, e menor quantidade de carne vermelha e processada e aves. Uma dieta saudável rica em alimentos com grande densidade nutricional poderá ser protetora contra formas graves da COVID-19 .

O estudo tem no entanto, algumas limitações, como o facto de ser um estudo de caso-controlo em que os participantes é que descrevem o que consomem. Nesse sentido, mais estudos deverão ser realizados que confirmem estes dados. No entanto, dietas de base vegetal estão associadas a inúmeras vantagens para a saúde e para o ambiente, por isso, haverá sempre benefícios em aumentar os vegetais, frutos, leguminosas, cereais integrais, frutos secos e sementes nas nossas vidas, com ou sem COVID-19.

Referências:

1.
Simonnet A, Chetboun M, Poissy J, Raverdy V, Noulette J, Duhamel A, et al. High Prevalence of Obesity in Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus-2 (SARS-CoV-2) Requiring Invasive Mechanical Ventilation. Obesity (Silver Spring). 2020 Jul;28(7):1195–9.
1.
Yang J, Zheng Y, Gou X, Pu K, Chen Z, Guo Q, et al. Prevalence of comorbidities and its effects in patients infected with SARS-CoV-2: a systematic review and meta-analysis. Int J Infect Dis. 2020 May;94:91–5.
1.
Calder PC, Carr AC, Gombart AF, Eggersdorfer M. Optimal Nutritional Status for a Well-Functioning Immune System Is an Important Factor to Protect against Viral Infections. Nutrients [Internet]. 2020 Apr [cited 2021 Jun 9];12(4):1181. Available from: https://www.mdpi.com/2072-6643/12/4/1181
1.
Kim H, Rebholz CM, Hegde S, LaFiura C, Raghavan M, Lloyd JF, et al. Plant-based diets, pescatarian diets and COVID-19 severity: a population-based case–control study in six countries. BMJ Nutrition, Prevention & Health [Internet]. 2021 May 18 [cited 2021 Jun 9];bmjnph. Available from: https://nutrition.bmj.com/content/early/2021/05/18/bmjnph-2021-000272