O cancro do fígado é mais comum em países menos desenvolvidos, dos quais fazem parte 83% dos cerca de 782000 casos ocorridos em todo o mundo (só na China foram cerca de 50%). É o 5º cancro mais comum nos homens e o nas mulheres. As regiões com maior incidência deste cancro nos homens são a Ásia Oriental e o Sudeste Oriental. Taxas intermédias são observadas no Sul da Europa e América do Norte, com as taxas mais baixas na Europa do Norte e Ásia Central. Nas mulheres, as taxas de incidência são geralmente muito mais baixas, com as taxas mais elevadas na Ásia Oriental e África Ocidental. O cancro do fígado é a segunda causa de morte por cancro em todo o mundo. Em Portugal cerca de 1000 pessoas adoecem todos os anos com esta doença

.

 

Embora mais de metade dos casos da doença se devam a infeção pelo vírus da hepatite B, de acordo com a análise feita pela WCRF/AICR, existem hoje fatores de risco bem conhecidos para o cancro do fígado:

  • Obesidade e excesso de peso aumentam de forma convincente o risco;
  • Consumir 3 ou mais bebidas alcoólicas por dia aumenta de forma convincente o risco;
  • Consumir alimentos contaminados por aflatoxinas (toxinas produzidas por certos fungos) aumentam de forma convincente o risco. As aflatoxinas são produzidas em alimentos em condições de armazenagem inapropriadas, geralmente em regiões mais quentes do planeta. Alimentos que podem ser contaminados: cereais, especiarias, amendoins, pistachios, castanhas-do-Brasil, malaguetas, pimenta preta, fruta seca e figos;
  • Beber café provavelmente diminui o risco;
  • Consumir peixe provavelmente diminui o risco;
  • Fazer exercício físico provavelmente diminui o risco.

 

Outro importante fator de risco para o cancro do fígado é a presença de outra patologia: o fígado gordo não alcoólico (FGNA). O FGNA é na realidade um espectro de doenças hepáticas caracterizadas pela presença de gordura ectópica no fígado (esteatose), a qual não pode ser explicada pelo consumo de álcool. Este espectro pode ir desde a simples e relativamente benigna esteatose até à esteato-hepatite (EHNA) a qual pode ter diferentes graus de fibrose e progredir para cirrose hepática e doença hepática avançada, incluindo o carcinoma hepatocelular (CHC) .

 

O FGNA está fortemente associado à obesidade, à insulinorresistência, diabetes tipo 2 (DMT2) e à síndrome metabólica. A obesidade, em particular a gordura visceral, está diretamente relacionado com esteatose hepática e com a progressão da doença . Em indivíduos com excesso de peso, a prevalência de esteatose é pelo menos duas vezes maior do que em indivíduos com peso saudável .

Esta doença é caracterizada por uma acumulação de lípidos nos hepatócitos, a qual acontece quando o influxo de lípidos hepáticos é superior ao clearance hepático de lípidos por catabolismo dos ácidos gordos ou por exportação de lipoproteínas . Essa acumulação de lípidos é seguida de um conjunto de processos inflamatórios que reforçam a agressão aos hepatócitos, o que pode levar a uma série de complicações hepáticas conhecidas. A forma de armazenamento de lípidos no hepatócito acontece principalmente na forma de triglicéridos, os quais são sintetizados a partir de ácidos gordos livres (AGL).

 

O FGNA pertence a um conjunto de doenças crónicas cuja prevalência aumenta em paralelo com o aumento da obesidade associada a hábitos alimentares e estilo de vida característicos do mundo Ocidental. Uma dieta rica em gorduras, farinhas refinadas e açúcares adicionados, pobre em fibra e em alimentos de origem vegetal, a chamada dieta ocidental, é um fator de risco para uma série de condições indesejáveis, tais como doenças cardiovasculares, cancros, diabetes, obesidade, síndrome metabólica e FGNA, o qual está relacionado com todas estas patologias. Aquilo que serve de base para a prevenção destas doenças, nomeadamente uma dieta de base vegetal, pobre em gorduras saturadas, açúcares simples e farinhas refinadas é igualmente adequado para a prevenção e tratamento do FGNA.

 

Alguns autores também sugerem existir uma correlação entre uma dieta rica em frutose e pobre em fibra com a prevalência de FGNA, típica dos países que adotam uma dieta deste tipo . Além disso, o uso de probióticos parece promissor em alguns estudos-piloto , mas carece de estudos mais robustos. Mais recentemente, alguns estudos sugerem que a vitamina D pode ser benéfica em prevenir o desenvolvimento de FGNA, através dos seus efeitos imunomodeladores e anti-inflamatórios .

Um estudo recente sugere que incluir brócolos na dieta poderá proteger contra o cancro do fígado, assim como contrariar o desenvolvimento de FGNA. Uma dieta rica em açúcares e gorduras saturadas promove a acumulação de gordura no fígado. As gorduras saturadas são uma fonte pobre de energia por não serem o principal substrato para a beta-oxidação e tenderem a ser dirigidos para o armazenamento . Estudos anteriores sugerem que os brócolos podem impedir a acumulação de gordura no fígado e proteger contra o FGNA em animais.

 

Neste estudo os investigadores quiseram estudar o impacto de alimentar animais expostos a uma substância que induz cancro do fígado com brócolos. Foram criados 4 grupos: alguns foram alimentados com uma dieta ocidental, outros com uma dieta de controlo enquanto lhes eram dados ou não brócolos. Em animais que fizeram uma dieta ocidental tanto o número de nódulos de cancro como o tamanho aumentaram no fígado. Quando os brócolos eram adicionados à dieta, o número de nódulos diminuia, embora o tamanho não fosse afetado .

 

Este estudo conclui que em modelo animal, o consumo de brócolos diminui a acumulação de gordura no fígado, tanto na dieta de controlo como na ocidental, sem alterar a massa corporal. Os dados sugerem que a redução de triglicéridos hepáticos se deva à diminuição do influxo de ácidos gordos livres no fígado e o aumento da excreção de VLDL. O consumo diário de brócolos promoveu saúde hepática e contrariou o desenvolvimento de FGNA. Incluir brócolos na dieta, além de muitos outros benefícios pode contribuir para menos patologia hepática, principalmente naqueles que têm excesso de peso.

Outros estudos em humanos feitos anteriormente parecem confirmar estes resultados sobre o papel dos brócolos na prevenção do cancro do fígado. Um desses estudos realizados na China verificou que ingerir um chá feito a partir de germinados de brócolos parece ser capaz de diminuir a velocidade ou inibir o desenvolvimento de cancro do fígado induzido pela exposição a aflatoxinas .

 

Os brócolos fazem parte da família das crucíferas. As crucíferas pertencem a uma família de vegetais com características únicas, responsáveis pelas suas conhecidas propriedades quimiopreventivas. Estes vegetais são assim chamados pelo facto de a flor de cada um deles ter pétalas espaçadas simetricamente em forma de cruz. Aquilo que os distingue dos outros vegetais passa por serem uma fonte privilegiada de uma classe específica de fitoquímicos, os glicosinolatos. Quando as paredes das suas células se partem, ao serem esmagados ou cortados, dá-se uma reação química através da exposição à enzima mirosinase que converte estas substâncias em moléculas como os isotiocianatos (ITC) e indóis.

 

Mesmo não existindo ainda recomendações específicas para o consumo de vegetais crucíferos, de acordo com as evidências disponíveis estima-se que sejam necessárias 5 porções por semana destes vegetais de forma a se obterem os seus benefícios quimiopreventivos . Várias meta-análises sugerem que consumir crucíferas poderá diminuir o risco de vários cancros:

  • Cancro colorretal: uma meta-análise de 35 estudos descobriu que um consumo elevado de vegetais crucíferos estão associados a uma diminuição de 18% no risco de cancro colorretal . Outra meta-análise de 32 estudos também conclui que o consumo de crucíferas está relacionado com uma diminuição de 16% no risco de cancro colo-retal, sendo de 20% quando se trata de brócolos .
  • Cancro da mama: uma análise a 13 estudos conclui que o consumo de crucíferas está associado a uma diminuição de 15% no risco de cancro da mama 
  • Cancro da próstata: uma meta-análise de 13 estudos descobriu que o consumo de crucíferas pode estar associado a uma diminuição no risco de cancro da próstata .
  • Cancro do pulmão: uma análise de 30 estudos conclui que o consumo de crucíferas está associado a uma diminuição de 22% no risco de cancro do pulmão .
  • Cancro do estômago: uma análise a 22 estudos conclui que o consumo de crucíferas está associado a uma diminuição de 19% no risco de cancro do estômago .
  • Cancro da bexiga: uma meta-análise de 10 estudos descobriu que um consumo elevado de vegetais crucíferos estão associados a uma diminuição de 20% no risco de cancro da bexiga .
  • Cancro do rim: uma análise de 10 estudos conclui que o consumo de crucíferas está associado a uma diminuição de 27% no risco de cancro do rim .

Dr. Paul Talalay – Professor de Farmacologia e Ciências Moleculares na Universidade de Medicina Johns Hopkins e fundador do The Brassica Chemoprotection Laboratory

A primeira vez que foi publicado um estudo que sugeria uma explicação para a relação entre o consumo de crucíferas e a diminuição do risco de cancro, foi em 1992, através da equipa liderada pelo Dr. Paul Talalay. O trabalho deste investigador centrou-se em identificar moléculas presentes em vegetais comestíveis capazes de induzir os enzimas de fase II, responsáveis por desativar substâncias potencialmente cancerígenas no nosso organismo. Essa pesquisa levou a que identificasse o sulforafano como um dos mais potentes indutores desses enzimas .

O sulforafano apresenta várias propriedades importantes na proteção contra o cancro, tais como:

 

O sulforafano forma-se a partir da glicorafanina, presente em grandes quantidades nos brócolos. Para que se dê a reação química que dá origem ao sulforafano, a glicorafanina tem de entrar em contacto com a mirosinase, o que acontece quando se corta, tritura ou esmaga os brócolos. No entanto, outra substância presente nestes vegetais, a proteína epitioespecificadora (ESP), desvia essa reação dando origem ao sulforafano nitrila, o qual não tem valor bioativo conhecido .  O sulforafano nitrila é o principal produto da hidrólise da glicorafanina. Os brócolos e outros vegetais da espécie Brassica oleracea produzem nitrilas, o que já não acontece com outros membros das brássicas, tais como o rábano, a mostarda branca e a raíz-forte, as quais só formam isotiocianatos .

 

A forma de preparar os brócolos e outras crucíferas, tem um grande impacto sobre a presença e a biodisponibilidade destes fitoquímicos. Os glicosinolatos, precursores destas substâncias bioativas, são sensíveis ao calor e forma de confeção. Basta cozinhar em microondas durante 5 minutos para haver uma perda de 74% na concentração de glicosinolatos nos brócolos. Cozer em água durante 3 minutos resulta numa perda de 55,3% e de cerca de 18,6% de glicosinolatos a libertarem-se para a água. Por outro lado, cozer a vapor durante 3 minutos permitiu manter intactos cerca de 97,7% dos glicosinolatos .

 

A mirosinase, enzima fundamental para a formação de sulforafano, é também sensível ao calor. Cozinhar as crucíferas antes de permitir a hidrólise dos glicosinolatos resulta numa perda significativa desses componentes e todos os benefícios associados. Uma das estratégias passa por consumir crucíferas cruas. No entanto, como vimos antes, se cortamos ou mastigamos brócolos crus, por causa da presença de ESP, obtemos maior contentração de sulforafano nitrila. Uma vez que a ESP também é sensível ao calor, sendo mais sensível do que a mirosinase, quando aquecemos os brócolos a 60 graus durante 5 a 10 minutos, desativamos a ESP sem desativar a mirosinase, o que resulta na formação de sulforafano .

 

Curiosamente, a mirosinase presente nos germinados de brócolos mostram ter maior resistência ao calor do que os brócolos maduros . Mesmo quando chegamos a temperaturas como os 100 graus, obtemos sulforafano, o que significa que se trata de uma forma mais eficaz e prática de o fazer. Além disso, os germinados têm entre 20 a 50 vezes mais glicosinolatos do que brócolos maduros . A ESP nos germinados de brócolos tem o seu pico de atividade no 2º dia de germinação e diminui no 5º dia, pelo que haverá vantagem em colher os germinados só a partir desse dia .

 

Existem também outras formas de garantirmos uma maior formação de sulforafano a partir de brócolos maduros. Cozinhar a vapor durante 3 minutos, garantindo que não cortamos as flores antes de os cozinharmos, permite a formação de sulforafano, evitando o sulforafano nitrila .

 

Outra das formas consiste em cozer a vapor os brócolos maduros inteiros durante o tempo que se queira e acrescentar no fim sementes de mostarda em pó, uma vez que estas são uma fonte estável de mirosinase . Também é possível combinar na mesma refeição brócolos cozidos com crucíferas cruas, como couve roxa, rúcula, rabanete, agrião ou outros. Uma das brássicas mais resistentes ao calor é o rábano Daikon. A mirosinase contida na raíz de rábano Daikon tem maior resistência ao calor, existindo formação de sulforafano mesmo quando aquecida a 125 graus durante 10 minutos .

 

Embora a forma mais eficaz de se obter sulforafano a partir de brócolos seja garantindo que exista mirosinase disponível para a hidrólise dos glicosinolatos, o glicorafano pode ser em parte convertido em sulforafano no intestino grosso pela microbiota. Cerca de 10 a 20% de metabolitos de sulforafano podem ser encontrados na urina depois de se ingerir brócolos sem mirosinase, apenas pela ação das bactérias presentes no intestino grosso .

 

 

Referências:

1.
Tse G, Eslick GD. Cruciferous vegetables and risk of colorectal neoplasms: a systematic review and meta-analysis. Nutr Cancer. 2014;66(1):128–39.
1.
Eliades M, Spyrou E. Vitamin D: A new player in non-alcoholic fatty liver disease? World J Gastroenterol [Internet]. 2015 Feb 14 [cited 2015 Feb 21];21(6):1718–27. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4323447/
1.
Ferlay J, Soerjomataram I, Dikshit R, Eser S, Mathers C, Rebelo M, et al. Cancer incidence and mortality worldwide: Sources, methods and major patterns in GLOBOCAN 2012. Int J Cancer [Internet]. 2015 Mar 1 [cited 2016 Mar 20];136(5):E359–86. Available from: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ijc.29210/abstract
1.
Ghawi SK, Methven L, Niranjan K. The potential to intensify sulforaphane formation in cooked broccoli (Brassica oleracea var. italica) using mustard seeds (Sinapis alba). Food Chemistry [Internet]. 2013 Jun 1 [cited 2014 Dec 4];138(2–3):1734–41. Available from: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0308814612016937
1.
Wu Q-J, Yang Y, Wang J, Han L-H, Xiang Y-B. Cruciferous vegetable consumption and gastric cancer risk: a meta-analysis of epidemiological studies. Cancer Sci. 2013 Aug;104(8):1067–73.
1.
Wu QJ, Yang Y, Vogtmann E, Wang J, Han LH, Li HL, et al. Cruciferous vegetables intake and the risk of colorectal cancer: a meta-analysis of observational studies. Ann Oncol [Internet]. 2013 Apr 1 [cited 2015 May 25];24(4):1079–87. Available from: http://annonc.oxfordjournals.org/content/24/4/1079
1.
Kensler TW, Chen J-G, Egner PA, Fahey JW, Jacobson LP, Stephenson KK, et al. Effects of Glucosinolate-Rich Broccoli Sprouts on Urinary Levels of Aflatoxin-DNA Adducts and Phenanthrene Tetraols in a Randomized Clinical Trial in He Zuo Township, Qidong, People’s Republic of China. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev [Internet]. 2005 Nov 1 [cited 2016 Mar 21];14(11):2605–13. Available from: http://cebp.aacrjournals.org/content/14/11/2605
1.
Leamy AK, Egnatchik RA, Young JD. Molecular Mechanisms and the Role of Saturated Fatty Acids in the Progression of Non-Alcoholic Fatty Liver Disease. Prog Lipid Res [Internet]. 2013 Jan [cited 2016 Mar 21];52(1). Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3868987/
1.
Storlien LH, Huang XF, Lin S, Xin X, Wang HQ, Else PL. Dietary fat subtypes and obesity. World Rev Nutr Diet. 2001;88:148–54.
1.
Chen Y-J, Wallig MA, Jeffery EH. Dietary Broccoli Lessens Development of Fatty Liver and Liver Cancer in Mice Given Diethylnitrosamine and Fed a Western or Control Diet. J Nutr [Internet]. 2016 Mar 1 [cited 2016 Mar 20];146(3):542–50. Available from: http://jn.nutrition.org/content/146/3/542
1.
Fahey JW, Zhang Y, Talalay P. Broccoli sprouts: An exceptionally rich source of inducers of  enzymes that protect against chemical carcinogens. Proc Natl Acad Sci U S A [Internet]. 1997 Sep 16 [cited 2014 Dec 1];94(19):10367–72. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC23369/
1.
Liu B, Mao Q, Cao M, Xie L. Cruciferous vegetables intake and risk of prostate cancer: A meta-analysis. International Journal of Urology [Internet]. 2012 Fevereiro [cited 2015 May 25];19(2):134–41. Available from: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1442-2042.2011.02906.x/abstract
1.
Lam TK, Gallicchio L, Lindsley K, Shiels M, Hammond E, Tao X (Grant), et al. Cruciferous Vegetable Consumption and Lung Cancer Risk: A Systematic Review. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev [Internet]. 2009 Jan 1 [cited 2015 May 25];18(1):184–95. Available from: http://cebp.aacrjournals.org/content/18/1/184
1.
Wong VW-S, Won GL-H, Chim AM-L, Chu WC-W, Yeung DK-W, Li KC-T, et al. Treatment of nonalcoholic steatohepatitis with probiotics. A proof-of-concept study. Ann Hepatol. 2013 Apr;12(2):256–62.
1.
Bellentani S, Tiribelli C. The spectrum of liver disease in the general population: lesson from the Dionysos study. J Hepatol. 2001 Oct;35(4):531–7.
1.
Fan J-G, Zhu J, Li X-J, Chen L, Lu Y-S, Li L, et al. Fatty liver and the metabolic syndrome among Shanghai adults. J Gastroenterol Hepatol. 2005 Dec;20(12):1825–32.
1.
Machado MV, Cortez-Pinto H. Non-alcoholic fatty liver disease: What the clinician needs to know. World J Gastroenterol [Internet]. 2014 Sep 28 [cited 2015 Feb 22];20(36):12956–80. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4177476/
1.
Lim JS, Mietus-Snyder M, Valente A, Schwarz J-M, Lustig RH. The role of fructose in the pathogenesis of NAFLD and the metabolic syndrome. Nat Rev Gastroenterol Hepatol [Internet]. 2010 Maio [cited 2015 Feb 22];7(5):251–64. Available from: http://www.nature.com/nrgastro/journal/v7/n5/abs/nrgastro.2010.41.html
1.
Matusheski NV, Jeffery EH. Comparison of the bioactivity of two glucoraphanin hydrolysis products found in broccoli, sulforaphane and sulforaphane nitrile. J Agric Food Chem. 2001 Dec;49(12):5743–9.
1.
Williams DJ, Critchley C, Pun S, Nottingham S, O’Hare TJ. Epithiospecifier protein activity in broccoli: The link between terminal alkenyl glucosinolates and sulphoraphane nitrile. Phytochemistry [Internet]. 2008 Nov [cited 2014 Dec 4];69(16):2765–73. Available from: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0031942208004172
1.
Dosz EB, Jeffery EH. Modifying the processing and handling of frozen broccoli for increased sulforaphane formation. J Food Sci. 2013 Sep;78(9):H1459-1463.
1.
Vallejo F, Tomás-Barberán F, García-Viguera C. Glucosinolates and vitamin C content in edible parts of broccoli florets after domestic cooking. Eur Food Res Technol [Internet]. 2002 Oct 1 [cited 2014 Dec 4];215(4):310–6. Available from: http://link.springer.com/article/10.1007/s00217-002-0560-8
1.
Shapiro TA, Fahey JW, Wade KL, Stephenson KK, Talalay P. Human metabolism and excretion of cancer chemoprotective glucosinolates and isothiocyanates of cruciferous vegetables. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev [Internet]. 1998 Dec 1 [cited 2014 Dec 1];7(12):1091–100. Available from: http://cebp.aacrjournals.org/content/7/12/1091
1.
Wang GC, Farnham M, Jeffery EH. Impact of Thermal Processing on Sulforaphane Yield from Broccoli (Brassica oleracea L. ssp. italica). J Agric Food Chem [Internet]. 2012 Jul 11 [cited 2014 Nov 26];60(27):6743–8. Available from: http://dx.doi.org/10.1021/jf2050284
1.
Zhang Y, Talalay P, Cho CG, Posner GH. A major inducer of anticarcinogenic protective enzymes from broccoli: isolation and elucidation of structure. Proc Natl Acad Sci USA. 1992 Mar 15;89(6):2399–403.
1.
Matusheski NV, Juvik JA, Jeffery EH. Heating decreases epithiospecifier protein activity and increases sulforaphane formation in broccoli. Phytochemistry. 2004 May;65(9):1273–81.
1.
Liu X, Lv K. Cruciferous vegetables intake is inversely associated with risk of breast cancer: a meta-analysis. Breast. 2013 Jun;22(3):309–13.
1.
Higdon JV, Delage B, Williams DE, Dashwood RH. Cruciferous Vegetables and Human Cancer Risk: Epidemiologic Evidence and Mechanistic Basis. Pharmacol Res [Internet]. 2007 Mar [cited 2014 Jul 8];55(3):224–36. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2737735/
1.
Liu B, Mao Q, Wang X, Zhou F, Luo J, Wang C, et al. Cruciferous vegetables consumption and risk of renal cell carcinoma: a meta-analysis. Nutr Cancer. 2013;65(5):668–76.
1.
Liu B, Mao Q, Lin Y, Zhou F, Xie L. The association of cruciferous vegetables intake and risk of bladder cancer: a meta-analysis. World J Urol. 2013 Feb;31(1):127–33.