(CONTINUAÇÃO DA PARTE 1)

 

TENDO FITOESTROGÉNIOS, NÃO SERÁ DESACONSELHADO PARA AS CRIANÇAS, ESPECIALMENTE OS MENINOS?

Como vimos, comer soja durante a infância, não só é uma ótima fonte de proteína, gorduras saudáveis, hidratos de carbono, fibra, vitaminas, minerais e fitoquímicos, como poderá ser a melhor altura para diminuir o risco de cancro da mama no caso das meninas. Um estudo italiano com crianças alimentadas com fórmula à base de soja não mostrou sinais de ginecomastia (aumento da mama) nos rapazes nem puberdade precoce nas raparigas, assim como nenhuma alteração hormonal. As crianças apresentaram valores normais de idade óssea, metabolismo ósseo, estradiol e osteocalcina .

Outro estudo prospetivo que acompanhou 89 crianças até aos 9 anos, mostrou que não existiu uma associação entre o consumo de soja na infância e sinais de puberdade precoce nem excesso de peso. A ingestão de soja não esteve associada a alterações no peso ou na altura, nem a puberdade precoce .

 

OUVI DIZER QUE COMER SOJA TEM EFEITOS EFEMINIZANTES NOS HOMENS.

Uma revisão sobre os efeitos efeminizantes da soja conclui que não existem efeitos efemenizantes da soja em homens, mesmo em quantidades superiores às consumidas por asiáticos. A exposição a isoflavonas nos homens não tem efeitos nos níveis de testosterona, estrogénio nem na qualidade do sémen .

Só existem dois casos descritos envolvendo homens, nos quais o consumo de soja esteve associado a ginecomastia. No entanto, tratam-se de casos extremos nos quais esses dois homens consumiam entre 14 a 20 porções de soja por dia, o que representa uma quantidade 9 vezes superior à quantidade média de um japonês idoso. Nesses casos foi observado um aumento dos tecidos mamários e perda de libido. No entanto, quando reduziram o consumo de soja, os sintomas desapareceram . Como com qualquer alimento ou nutriente, doses extremamente elevadas podem ter efeitos adversos. Estes dois casos ilustram bem isso.

 

A ENDOMETRIOSE É SENSÍVEL AO ESTROGÉNIO, POR ISSO NÃO POSSO COMER SOJA, CERTO?

Relativamente à relação entre o consumo de soja e o risco de endometriose, embora existam pouco estudos sobre o assunto, os que existem sugerem que a soja seja neutra ou até mesmo benéfica para a doença. Um estudo com 495 mulheres mostrou que níveis mais elevados na urina de fitoestrogénios não estiveram associados a um risco superior de endometriose . Por outro lado, um estudo mostrou que mulheres com níveis superiores de isoflavonas na urina tiveram um risco inferior de desenvolver endometriose .

Uma vez que a endometriose é uma doença inflamatória e dependente do estrogénio, uma dieta anti-inflamatória e que esteja associada a níveis inferiores de estradiol deverá ser a mais indicada. Uma dieta de base vegetal, rica em vegetais, frutos, leguminosas, cereais integrais, frutos secos e sementes, além de pobre em gorduras saturadas, hidrogenadas e álcool poderá ser uma ótima opção para diminuir o risco ou controlar a doença.

 

A SOJA FAZ MAL À TIRÓIDE!

As preocupações com a tiróide surgem de estudos in vitro e em animais. Os estudos publicados em humanos mostram que as isoflavonas não afetam o funcionamento da tiróide . Uma revisão de estudos clínicos concluiu que o consumo de soja não está associado a problemas na função da tiróide e que não existem razões para pessoas com hipotiroidismo deixaram de a consumir a não ser que façam uma ingestão pobre de iodo . Uma revisão sistemática da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) concluiu que as isoflavonas não têm efeitos negativos na mama, útero ou tiróide em mulheres depois da menopausa.

No caso de pessoas com hipotiroidismo, a soja poderá fazer com que seja necessário aumentar a dose da medicação de substituição hormonal, não porque tenha um efeito prejudicial sobre a tiróide, mas porque inibe a absorção do medicamento. No entanto, não existem evidências que as pessoas com hipotiroidismo devam evitar soja. É recomendável que se faça um intervalo de 4 horas entre a medicação e o consumo de soja. Um estudo sugere que mulheres com um consumo muito elevado de soja poderão estar mais suscetíveis a problemas de tiróide. No entanto, isso só acontece caso tenham uma ingestão insuficiente de iodo.

 

OK, A SOJA PODE SER SAUDÁVEL, MAS SÓ NO CASO DA FERMENTADA!

A soja, independentemente de ser fermentada ou não, está associada a inúmeros benefícios para a saúde.  A soja fermentada continua a ser rica em isoflavonas, inclusive estas são mais bem absorvidas. Nesse sentido, se o problema fossem as isoflavonas, não faria sentido alegar que apenas a soja fermentada fosse segura. A única diferença, e de certa forma vantagem, na fermentação é o facto da soja passa a ter valor probiótico, além de diminuir a concentração de ácido fítico, o que poderá melhorar a absorção de alguns minerais. No entanto, mesmo na presença de ácido fítico, a absorção de cálcio a partir de bebida de soja enriquecida ou de tofu é semelhante à do leite . O mesmo se observa com a absorção de ferro a partir da soja não fermentada, a qual é bastante elevada, provavelmente por se encontrar na forma de ferritina .

A fermentação também diminui em certa medida a concentração de inibidores de protease presentes na soja, os quais poderiam interferir com a digestão da proteína. No entanto, cozinhar ou processar os feijões de soja desativa a maior parte dessas substâncias, pelo que não representa um problema. Na realidade, a digestão de proteína de soja é bastante eficaz, independentemente na presença ou não de resíduos de inibidores de protease .

Alguns estudos disponíveis que temos, mostram que o tofu (produto de soja não fermentado), poderá ser mais eficaz a diminuir o risco de doenças crónicas do que o miso (produto de soja fermentado) . A única exceção é o caso do natto (produto de soja fermentada) que pela sua grande concentração em vitamina K2 está associado a melhoria da saúde óssea e diminuição do risco de fraturas e osteoporose .

Por último, os estudos que temos não suportam a ideia de que os produtos de soja fermentados sejam melhores para a saúde e inclusive, uma meta-análise a 13 estudos prospetivos incluindo 517106 participantes mostrou que embora o consumo de soja não fermentada esteja associado a uma diminuição de 37% no risco de cancro do estômago, um consumo elevado de sopa de miso (1-5 porções/dia) poderá aumentar o risco de cancro do estômago. Uma das explicações possíveis poderá ser a grande concentração de sal no miso .

Em resumo: a alegação de que só a soja fermentada é segura e que tem vantagens para a saúde, não tem nenhum fundamento científico. Ambas as formas são benéficas para a saúde, com exceção do natto que poderá ter benefícios acrescidos para a saúde óssea.

 

OUVI DIZER QUE COMER TOFU PODERÁ AUMENTAR O RISCO DE DEMÊNCIA.

Os receios de que a soja poderá aumentar o risco de demência surgiram com um estudo seccional cruzado feito na Indonésia. O estudo sugere que exista uma correlação entre o consumo de tofu e perda de memória, mas que o tempeh pelo contrário esteve associado a melhor memória. O facto de dois produtos de soja produzirem efeitos contrários levanta suspeitas, sendo que os investigadores sugeriram que a explicação mais plausível seja o facto do tofu (mas não o tempeh) na Indonésia conter formaldeído, sendo esta tóxica e estando associada a diminuição da memória em modelo animal . Por outro lado, uma meta-análise a 10 estudos clínicos aleatorizados com 1024 participantes, mostrou que as isoflavonas melhoraram a função cognitiva e memória visual em mulheres depois da menopausa .

 

A SOJA CONTRIBUI PARA A DESFLORESTAÇÃO E TEM UM GRANDE IMPACTO AMBIENTAL!

Na realidade 75% da soja produzida é utilizada para alimentar os animais da agropecuária. Apenas 6% da soja é usada para alimentação humana. Significa que o responsável pela desflorestação é o excessivo consumo de carne e não de soja por via direta. É o bife no prato e não o tofu que contribui para a desflorestação. De qualquer forma podemos ter o cuidado de escolher soja de produção europeia e evitar a soja que seja produzida no Brasil, EUA ou Argentina.

https://www.onegreenplanet.org/environment/why-tofu-consumption-is-not-responsible-for-soy-related-deforestation/

https://www.onegreenplanet.org/animalsandnature/the-surprising-way-your-diet-can-fix-the-soy-and-deforestation-problem/

https://www.chathamhouse.org/sites/default/files/publications/research/2016-01-28-agricultural-commodities-brack-glover-wellesley.pdf

https://www.ucsusa.org/global-warming/stop-deforestation/drivers-of-deforestation-2016-soybeans#.XExEuVz7SUk

 

OUTROS EFEITOS DA SOJA.

O consumo de soja poderá diminuir o risco de cancro colorretal, da próstata, do pulmão e do ovário .

Consumir produtos de soja poderá diminuir os níveis de LDL. No entanto, essa diminuição foi mais significativa em indivíduos com colesterol elevado e quando foi utilizada soja menos processada .

A ingestão de um valor igual ou superior a 25 g de proteína de soja por dia poderá diminuir a pressão arterial. Esses efeitos poderão ser atribuídos às isoflavonas .

Um estudo a partir de três coortes com um total de 210700 participantes mostrou que a ingestão de isoflavonas esteve associada a uma diminuição de 13% no risco de doença coronária e que a ingestão de mais de uma porção de tofu por semana esteve associada a uma diminuição de 18% no risco de doença coronária. O estudo concluiu que uma ingestão superior de isoflavonas e tofu poderá diminuir o risco de doença coronária, sendo que esses efeitos nas mulheres são mais significativos no caso de mulheres mais novas ou depois da menopausa sem substituição hormonal .

Uma dieta com soja em doentes com doença crónica renal poderá diminuir a proteinuria e a proteína C-reativa, enquanto mantém o estado nutricional do doente .

As isoflavonas da soja poderão diminuir a frequência e severidade dos afrontamentos em mulheres na menopausa. De acordo com uma meta-análise a estudos clínicos suplementos com mais de 18,8 mg de genisteína foram duas vezes mais potentes a reduzir a frequência dos episódios de afrontamentos .

 

Referências:

1.
Cheng P-F, Chen J-J, Zhou X-Y, Ren Y-F, Huang W, Zhou J-J, et al. Do soy isoflavones improve cognitive function in postmenopausal women? A meta-analysis. Menopause. 2015 Feb;22(2):198–206.
1.
Hogervorst E, Sadjimim T, Yesufu A, Kreager P, Rahardjo TB. High tofu intake is associated with worse memory in elderly Indonesian men and women. Dement Geriatr Cogn Disord. 2008;26(1):50–7.
1.
Alekel DL, Genschel U, Koehler KJ, Hofmann H, Van Loan MD, Beer BS, et al. Soy Isoflavones for Reducing Bone Loss Study: effects of a 3-year trial on hormones, adverse events, and endometrial thickness in postmenopausal women. Menopause. 2015 Feb;22(2):185–97.
1.
Strom BL, Schinnar R, Ziegler EE, Barnhart KT, Sammel MD, Macones GA, et al. Exposure to Soy-Based Formula in Infancy and Endocrinological and Reproductive Outcomes in Young Adulthood. JAMA [Internet]. 2001 Aug 15 [cited 2020 Apr 1];286(7):807–14. Available from: https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/194106
1.
Ma Le, Liu Gang, Ding Ming, Zong Geng, Hu Frank B., Willett Walter C., et al. Isoflavone Intake and the Risk of Coronary Heart Disease in US Men and Women: Results From 3 Prospective Cohort Studies. Circulation [Internet]. [cited 2020 Mar 31];0(0). Available from: https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/CIRCULATIONAHA.119.041306
1.
Zheng N, Hsieh E, Cai H, Shi L, Gu K, Zheng Y, et al. Soy Food Consumption, Exercise, and Body Mass Index and Osteoporotic Fracture Risk Among Breast Cancer Survivors: The Shanghai Breast Cancer Survival Study. JNCI Cancer Spectr [Internet]. 2019 May 21 [cited 2020 Jan 13];3(2). Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6527440/
1.
Zhao Y, Martin BR, Weaver CM. Calcium bioavailability of calcium carbonate fortified soymilk is equivalent to cow’s milk in young women. J Nutr. 2005 Oct;135(10):2379–82.
1.
Tang AL, Walker KZ, Wilcox G, Strauss BJ, Ashton JF, Stojanovska L. Calcium absorption in Australian osteopenic post-menopausal women: an acute comparative study of fortified soymilk to cows’ milk. Asia Pac J Clin Nutr. 2010;19(2):243–9.
1.
Siepmann T, Roofeh J, Kiefer FW, Edelson DG. Hypogonadism and erectile dysfunction associated with soy product consumption. Nutrition. 2011 Aug;27(7–8):859–62.
1.
Lönnerdal B. Soybean ferritin: implications for iron status of vegetarians. Am J Clin Nutr. 2009 May;89(5):1680S-1685S.
1.
Weaver CM, Heaney RP, Connor L, Martin BR, Smith DL, Nielsen S. Bioavailability of Calcium from Tofu as Compared with Milk in Premenopausal Women. Journal of Food Science [Internet]. 2002 [cited 2019 Mar 13];67(8):3144–7. Available from: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1365-2621.2002.tb08873.x
1.
Hughes GJ, Ryan DJ, Mukherjea R, Schasteen CS. Protein digestibility-corrected amino acid scores (PDCAAS) for soy protein isolates and concentrate: criteria for evaluation. J Agric Food Chem. 2011 Dec 14;59(23):12707–12.
1.
Ikeda Y, Iki M, Morita A, Kajita E, Kagamimori S, Kagawa Y, et al. Intake of fermented soybeans, natto, is associated with reduced bone loss in postmenopausal women: Japanese Population-Based Osteoporosis (JPOS) Study. J Nutr. 2006 May;136(5):1323–8.
1.
Mumford SL, Weck J, Kannan K, Buck Louis GM. Urinary Phytoestrogen Concentrations Are Not Associated with Incident Endometriosis in Premenopausal Women123. J Nutr [Internet]. 2017 Feb [cited 2018 Oct 28];147(2):227–34. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5265693/
1.
Tsuchiya M, Miura T, Hanaoka T, Iwasaki M, Sasaki H, Tanaka T, et al. Effect of soy isoflavones on endometriosis: interaction with estrogen receptor 2 gene polymorphism. Epidemiology. 2007 May;18(3):402–8.
1.
Bitto A, Polito F, Atteritano M, Altavilla D, Mazzaferro S, Marini H, et al. Genistein Aglycone Does Not Affect Thyroid Function: Results from a Three-Year, Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Trial. J Clin Endocrinol Metab [Internet]. 2010 Jun 1 [cited 2018 Jan 2];95(6):3067–72. Available from: https://academic.oup.com/jcem/article/95/6/3067/2598959
1.
Kou T, Wang Q, Cai J, Song J, Du B, Zhao K, et al. Effect of soybean protein on blood pressure in postmenopausal women: a meta-analysis of randomized controlled trials. Food Funct. 2017 Aug 16;8(8):2663–71.
1.
Zhang J, Liu J, Su J, Tian F. The effects of soy protein on chronic kidney disease: a meta-analysis of randomized controlled trials. Eur J Clin Nutr. 2014 Sep;68(9):987–93.
1.
Tokede OA, Onabanjo TA, Yansane A, Gaziano JM, Djoussé L. Soya products and serum lipids: a meta-analysis of randomised controlled trials. Br J Nutr. 2015 Sep 28;114(6):831–43.
1.
Yang G, Shu XO, Chow W-H, Zhang X, Li H-L, Ji B-T, et al. Soy Food Intake and Risk of Lung Cancer: Evidence From the Shanghai Women’s Health Study and a Meta-Analysis. Am J Epidemiol [Internet]. 2012 Nov 15;176(10):846–55. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3626060/
1.
Weng K-G, Yuan Y-L. Soy food intake and risk of gastric cancer. Medicine (Baltimore) [Internet]. 2017 Aug 18;96(33). Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5571710/
1.
Giampietro PG, Bruno G, Furcolo G, Casati A, Brunetti E, Spadoni GL, et al. Soy protein formulas in children: no hormonal effects in long-term feeding. J Pediatr Endocrinol Metab. 2004 Feb;17(2):191–6.
1.
Martinez J, Lewi JE. An unusual case of gynecomastia associated with soy product consumption. Endocr Pract. 2008 Jun;14(4):415–8.
1.
Taku K, Melby MK, Kronenberg F, Kurzer MS, Messina M. Extracted or synthesized soybean isoflavones reduce menopausal hot flash frequency and severity: systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Menopause. 2012 Jul;19(7):776–90.
1.
Messina M. Soybean isoflavone exposure does not have feminizing effects on men: a critical examination of the clinical evidence. Fertility and Sterility [Internet]. 2010 May 1 [cited 2016 Apr 27];93(7):2095–104. Available from: http://www.fertstert.org/article/S0015028210003687/abstract
1.
Lephart ED, Lephart ED. Modulation of Aromatase by Phytoestrogens, Modulation of Aromatase by Phytoestrogens. Enzyme Research, Enzyme Research [Internet]. 2015 Dec 21 [cited 2016 Apr 14];2015, 2015:e594656. Available from: http://www.hindawi.com/journals/er/2015/594656/abs/, http://www.hindawi.com/journals/er/2015/594656/abs/
1.
Shin A, Lee J, Lee J, Park MS, Park JW, Park SC, et al. Isoflavone and Soyfood Intake and Colorectal Cancer Risk: A Case-Control Study in Korea. PLoS One [Internet]. 2015 Nov 17 [cited 2016 Jan 20];10(11). Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4648565/
1.
Messina M, Redmond G. Effects of soy protein and soybean isoflavones on thyroid function in healthy adults and hypothyroid patients: a review of the relevant literature. Thyroid. 2006 Mar;16(3):249–58.
1.
Yan L, Spitznagel EL. Soy consumption and prostate cancer risk in men: a revisit of a meta-analysis. Am J Clin Nutr [Internet]. 2009 Apr 1 [cited 2015 Feb 19];89(4):1155–63. Available from: http://ajcn.nutrition.org/content/89/4/1155
1.
Yan L, Spitznagel EL. Soy consumption and prostate cancer risk in men: a revisit of a meta-analysis. Am J Clin Nutr. 2009 Apr;89(4):1155–63.
1.
Lee AH, Su D, Pasalich M, Tang L, Binns CW, Qiu L. Soy and isoflavone intake associated with reduced risk of ovarian cancer in southern Chinese women. Nutr Res. 2014 Apr;34(4):302–7.
1.
Yan L, Spitznagel EL, Bosland MC. Soy consumption and colorectal cancer risk in humans: a meta-analysis. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2010 Jan;19(1):148–58.