A relação entre a dieta e o risco de cancro da mama não é ainda muito clara, com resultados heterogéneos relativamente a diferentes alimentos. De acordo com a WCRF/AICR, apenas existe uma relação convincente entre o consumo de bebidas alcoólicas e um aumento de risco de cancro da mama depois da menopausa. Além disso, vegetais não amiláceos, alimentos ricos em carotenoides e uma dieta rica em cálcio poderão diminuir o risco de cancro da mama.

Relativamente ao consumo de leite, os resultados são contraditórios, com alguns estudos a sugerir um aumento de risco e outros uma diminuição. Uma meta-análise mostrou que o consumo de leite ou de iogurte não teve nenhuma associação com o risco de cancro da mama .

No entanto, um estudo sugere que a ingestão de leite poderá aumentar o risco de cancro da mama, mesmo em quantidades baixas. Trata-se de um estudo prospetivo que acompanhou 52795 mulheres ao longo de 7,9 anos e procurou identificar associações entre o consumo de leite, bebida de soja e cancro da mama. Foram observados os seguintes resultados:

  • Beber cerca de ¼ de copo de leite por dia esteve associado a um risco 30% superior de cancro da mama;
  • Beber cerca de 1 copo de leite por dia esteve associado a um risco 50% superior de cancro da mama;
  • Beber cerca de 2 a 3 copos de leite por dia esteve associado a um risco 70 a 80% superior de cancro da mama;
  • Substituir a ingestão de leite por bebida de soja esteve associada a um risco 32% inferior de cancro da mama.

Não houve diferenças no risco entre leite gordo ou magro e não foram encontradas associações com a ingestão de queijo e iogurte. O estudo concluiu que uma ingestão superior de leite poderá estar associada a um risco superior de cancro da mama e que as recomendações atuais para a ingestão de leite terá de ser visto com alguma cautela .

Estes resultados estão em sintonia com um relatório anterior do mesmo estudo que sugere que apenas as mulheres com uma dieta vegana e não ovo-lacto-vegetariana tiveram um risco inferior de cancro da mama (22%). O estudo acompanhou 50404 mulheres, sendo que todas as participantes têm taxas de incidência de cancro da mama inferiores à população em geral, além de terem um padrão alimentar saudável, além de taxas muita baixas de tabagismo e consumo de álcool .

Depois de um diagnóstico de cancro da mama, a ingestão de leite poderá também impacto na sobrevivência. Anteriormente, um estudo prospetivo que acompanhou 1893 mulheres com cancro da mama ao longo de 11,8 anos mostrou que ingeriram mais de 1 copo de leite gordo por dia tiveram um risco 49% superior de mortalidade .

Hormonas sexuais e o fator de crescimento IGF-1 presentes no leite poderão explicar em parte a relação com o risco de cancro da mama. O IGF-1 presente no leite não é destruído pela pasteurização, sendo que a ingestão de leite está associada a níveis superior de IGF-1 no sangue, estando esta hormona proliferativa possivelmente associada ao risco de cancro da mama .

Relativamente à recomendação atual de se ingerir cerca de 3 copos de leite por dia, uma revisão recente a mais de 100 estudos concluiu que essa recomendação não se baseia em evidência científica . De acordo com a revisão, as recomendações deveriam ser de ingerir de 0 a 2 porções de produtos lácteos por dia, sendo que a ingestão adequada varia em função das necessidades individuais. Caso a dieta seja de qualidade, os produtos lácteos não oferecem vantagens para a saúde, uma vez que todos os nutrientes podem ser obtidos a partir de outros alimentos ou suplementos.

Um dos principais motivos pelo qual o leite continua a ser promovido passa pelo facto de ser uma boa fonte de cálcio. De facto, o cálcio é um mineral fundamental para a nossa saúde. É o principal componente de ossos e dentes, mas além disso, desempenha funções muito importantes a nível celular, uma vez que se encontra unido a proteínas e vinculado a diferentes mecanismos de transporte. Algumas das suas funções:

  • Constituinte de ossos e dentes;
  • Necessário para manter o ritmo e as contrações do coração;
  • A contração dos músculos também necessita de cálcio;
  • Intervém na transmissão de impulsos nervoso;
  • Atua na comunicação intracelular.

Embora haja a perceção que o consumo de leite contribua para a saúde óssea e evite fraturas, o facto é que a evidência não parece sugerir essa relação. Uma meta-análise sugere que não existe uma diminuição no risco de fratura ósseas na ingestão até 4 copos de leite por dia .

Outro estudo com quase 100000 adultos mostrou que por cada copo adicional de leite na adolescência não houve relação com o risco de fratura óssea nas mulheres e houve um aumento de 9% no risco de fratura da bacia nos homens .

Mais recentemente, uma meta-análise a 10 estudos prospetivos e 8 estudos de caso-controlo mostrou que a ingestão de produtos lácteos não esteve associada a uma diminuição do risco de fraturas ósseas, e que os eventuais benefícios do leite só se observam até 200 g/dia .

De facto, existe aquilo que pode ser chamado o paradoxo do cálcio, no qual as taxas de fratura da bacia são mais elevadas em países com uma ingestão alta de laticínios/cálcio.

https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/42665/WHO_TRS_916.pdf;jsessionid=A2EDF801C6E9479B2E118AE49D43CE50?sequence=1

https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/42716/9241546123.pdf?ua=1

O cálcio pode ser obtido a partir de vegetais de folha verde, leguminosas, bebidas vegetais enriquecidas. As fontes vegetais de cálcio poderão oferecer algumas vantagens em relação aos laticínios:

  • Fibra;
  • Fitoquímicos;
  • Vitamina K (fundamental para a saúde óssea);
  • Diminuição no risco de cancro da próstata e do ovário;
  • Diminuição dos níveis de IGF-1;
  • Menos gorduras saturadas.

Embora alguns vegetais sejam uma boa fonte de cálcio, a presença de oxalatos interfere com a sua absorção, pelo que se devem preferir aqueles que sejam ricos em cálcio e simultaneamente pobres em oxalatos. Algumas considerações:

  • Estudos mostram que a absorção de cálcio a partir de bebidas vegetais enriquecidas, couve pak-choi, couve frisada (kale), e folhas de mostarda é elevada;
  • Baseado nos níveis de oxalato, a absorção de cálcio a partir das nabiças, agrião e brócolos também deverá ser boa;
  • O cálcio presente na couve-galega deverá ser moderadamente bem absorvida;
  • Estudos mostram que o cálcio presente nos espinafres e no ruibarbo não é bem absorvido;
  • Da mesma forma, com base nos níveis de oxalato, o cálcio nas folhas de beterraba e nas acelgas não deverá ser bem absorvido.
  • Os suplementos de cálcio inibem a absorção de ferro caso sejam consumidos ao mesmo tempo;
  • Não devemos ultrapassar os 1400 mg de cálcio por dia.

A absorção de cálcio pode variar de 20 a 60% em função do tipo de alimento e da concentração em oxalatos, sendo que em média absorvemos cerca de 30% do cálcio no leite ou bebidas enriquecidas, 20% das leguminosas e sementes e 50% dos vegetais de folha verde escura. Cuidados a ter para evitarmos carências de cálcio:

  • Embora os produtos lácteos sejam a principal fonte de cálcio na dieta dos portugueses, as necessidades de cálcio podem ser atingidas consumindo apenas produtos vegetais.
  • Com a exceção de vegetais com grandes concentrações de oxalatos – folhas de beterreba, espinafres e acelgas – o cálcio de vegetais é bem absorvido.
  • Alimentos enriquecidos, como as bebidas vegetais, podem ser úteis para atingir as necessidades de cálcio. Aqueles que não atingem esses valores terão de tomar suplemento.

As seguintes medidas podem ajudar a aumentar a absorção e retenção de cálcio:

  • Consumir muitos frutos e vegetais;
  • Consumir a proteína adequada;
  • Reduzir o consumo de sal;
  • No caso de tomar suplementos, estes devem ser fracionados ao longo do dia;
  • Tomar suficiente vitamina D.

Relativamente à soja, na grande maioria dos estudos em humanos, o seu consumo está associado a inúmeros benefícios para a saúde e muito poucos riscos .

A soja pertence à família das leguminosas, partilhando por isso das suas propriedades nutricionais, sendo rica em proteínas, fibra, gorduras insaturadas, vitaminas, minerais e fitoquímicos. As leguminosas são dos alimentos mais importantes numa dieta de base vegetal pela sua grande concentração em nutrientes e efeitos na diminuição do risco de doenças crónicas como diabetes e doenças cardiovasculares, assim como da mortalidade .

Entre os vários fitoquímicos presentes na soja, esta é particularmente rica numa subclasse de flavonoides conhecidos como isoflavonas, as quais têm uma estrutura química parecida com o estrogénio, sendo por isso também chamadas de fitoestrogénios. No entanto, as propriedades destes fitoestrogénios são muito diferentes da hormona estrogénio. Existem três tipos de isoflavonas na soja: genisteína (50%), daidzeína (40%) e gliciteína (10%). Embora tenham uma ação estrogénica fraca, estas moléculas podem ligar-se a recetores de estrogénio, imitando os efeitos do estrogénio em alguns tecidos e antagonizando-os noutros tecidos, o que significa que as isoflavonas poderão ter os benefícios associados ao estrogénio sem os seus efeitos prejudiciais. Esta ação seletiva tem sido objeto de interesse nas investigações sobre fitoestrogénios .

Uma das razões pelas quais se começou a estudar os efeitos da soja na saúde foi a observação de que nos países onde se consome tradicionalmente soja, as taxas de incidência de cancro da mama eram muito baixos. Estudos epidemiológicos realizados nessas populações sugerem que o consumo de soja diminua cerca de 41% o risco de cancro da mama .

No entanto, vários estudos sugerem também que, para se obter a máxima proteção contra o cancro da mama, a soja deve ser consumida desde a infância. A redução no risco de cancro da mama é mais significativo quando existe um consumo de soja de forma consistente ao longo da infância e adolescência. De acordo com vários estudos de caso-controlo, consumir soja durante a infância e adolescência poderá diminuir entre 25 a 60% o risco de cancro da mama mais tarde na vida .

Todos os estudos prospetivos com mulheres diagnosticadas com cancro da mama têm mostrado que o consumo de soja regular está associado a uma diminuição do risco de recidiva e de mortalidade da doença. Uma meta-análise que incluiu 5 estudos prospetivos perfazendo um total de 11206 mulheres diagnosticadas com cancro da mama, mostrou que comparativamente com aquelas que consumiam menos soja, as mulheres com maior consumo de soja depois do diagnóstico, apresentavam uma diminuição de 16% na mortalidade e a uma diminuição de 26% nas recidivas, independentemente do tipo de cancro da mama .

As organizações mais importantes do mundo, responsáveis por rever toda a literatura científica relacionada com prevenção do cancro (World Cancer Research Fund e American Institute for Cancer Research), concluíram que existem indicações plausíveis de que consumir soja depois de um diagnóstico de cancro da mama, juntamente com manter um peso saudável, ser fisicamente ativo, consumir alimentos ricos em fibra e limitar o consumo de gorduras saturadas, poderá aumentar as probabilidades de sobrevivência:

https://www.wcrf.org/dietandcancer/breast-cancer-survivors

https://www.aicr.org/learn-more-about-cancer/infographics/breast-cancer-survivorship.html

https://www.aicr.org/learn-more-about-cancer/infographics/what-breast-cancer-survivors-can-do.html

Uma revisão sistemática da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) concluiu que as isoflavonas não têm efeitos negativos na mama, útero ou tiróide em mulheres depois da menopausa.

https://www.efsa.europa.eu/en/efsajournal/pub/4246

O consumo de soja poderá também diminuir o risco de cancro colorretal, da próstata, do pulmão e do ovário .

Consumir produtos de soja poderá diminuir os níveis de LDL. No entanto, essa diminuição foi mais significativa em indivíduos com colesterol elevado e quando foi utilizada soja menos processada .

A ingestão de um valor igual ou superior a 25 g de proteína de soja por dia poderá diminuir a pressão arterial. Esses efeitos poderão ser atribuídos às isoflavonas .

Uma dieta com soja em doentes com doença crónica renal poderá diminuir a proteinuria e a proteína C-reativa, enquanto mantém o estado nutricional do doente .

As isoflavonas da soja poderão diminuir a frequência e severidade dos afrontamentos em mulheres na menopausa. De acordo com uma meta-análise a estudos clínicos, suplementos com mais de 18,8 mg de genisteína foram duas vezes mais potentes a reduzir a frequência dos episódios de afrontamentos .

A soja é um alimento muito rico nutricionalmente, muito versátil e com características únicas que faz desta leguminosa um ótimo alimento no contexto de uma dieta saudável. Em alguns casos específicos, pode existir uma alergia que impossibilita a sua ingestão, o que pode acontecer com vários outros alimentos. Nesse caso, não existe outra hipótese senão retirar a soja da alimentação e substituir por muitas outras leguminosas que existem. No entanto, não existem outras razões que justifiquem excluir este alimento da nossa alimentação.

Referências:

1.
Chen M, Rao Y, Zheng Y, Wei S, Li Y, Guo T, et al. Association between soy isoflavone intake and breast cancer risk for pre- and post-menopausal women: a meta-analysis of epidemiological studies. PLoS ONE. 2014;9(2):e89288.
1.
Christopoulos PF, Msaouel P, Koutsilieris M. The role of the insulin-like growth factor-1 system in breast cancer. Mol Cancer. 2015 Feb 15;14:43.
1.
Penniecook-Sawyers JA, Jaceldo-Siegl K, Fan J, Beeson L, Knutsen S, Herring P, et al. Vegetarian dietary patterns and the risk of breast cancer in a low-risk population. Br J Nutr [Internet]. 2016 May [cited 2020 Feb 27];115(10):1790–7. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4907539/
1.
Fraser GE, Jaceldo-Siegl K, Orlich M, Mashchak A, Sirirat R, Knutsen S. Dairy, soy, and risk of breast cancer: those confounded milks. Int J Epidemiol [Internet]. 2020 [cited 2020 Feb 27]; Available from: https://academic.oup.com/ije/advance-article/doi/10.1093/ije/dyaa007/5743492
1.
Willett WC, Ludwig DS. Milk and Health. New England Journal of Medicine [Internet]. 2020 Feb 13 [cited 2020 Feb 14];382(7):644–54. Available from: https://doi.org/10.1056/NEJMra1903547
1.
Chen L, Li M, Li H. Milk and yogurt intake and breast cancer risk. Medicine (Baltimore) [Internet]. 2019 Mar 22 [cited 2019 Oct 23];98(12). Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6709252/
1.
Kroenke CH, Kwan ML, Sweeney C, Castillo A, Caan BJ. High- and Low-Fat Dairy Intake, Recurrence, and Mortality After Breast Cancer Diagnosis. J Natl Cancer Inst [Internet]. 2013 May 1 [cited 2019 Oct 23];105(9):616–23. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3639864/
1.
Bian S, Hu J, Zhang K, Wang Y, Yu M, Ma J. Dairy product consumption and risk of hip fracture: a systematic review and meta-analysis. BMC Public Health [Internet]. 2018 Jan 22 [cited 2018 Nov 5];18. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5778815/
1.
Marventano S, Izquierdo Pulido M, Sánchez-González C, Godos J, Speciani A, Galvano F, et al. Legume consumption and CVD risk: a systematic review and meta-analysis. Public Health Nutr. 2017 Feb;20(2):245–54.
1.
Jing Z, Wei-Jie Y. Effects of soy protein containing isoflavones in patients with chronic kidney disease: A systematic review and meta-analysis. Clin Nutr. 2016 Feb;35(1):117–24.
1.
Kou T, Wang Q, Cai J, Song J, Du B, Zhao K, et al. Effect of soybean protein on blood pressure in postmenopausal women: a meta-analysis of randomized controlled trials. Food Funct. 2017 Aug 16;8(8):2663–71.
1.
Tokede OA, Onabanjo TA, Yansane A, Gaziano JM, Djoussé L. Soya products and serum lipids: a meta-analysis of randomised controlled trials. Br J Nutr. 2015 Sep 28;114(6):831–43.
1.
Yang W-S, Va P, Wong M-Y, Zhang H-L, Xiang Y-B. Soy intake is associated with lower lung cancer risk: results from a meta-analysis of epidemiologic studies123. Am J Clin Nutr [Internet]. 2011 Dec;94(6):1575–83. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3252551/
1.
Yang G, Shu XO, Chow W-H, Zhang X, Li H-L, Ji B-T, et al. Soy Food Intake and Risk of Lung Cancer: Evidence From the Shanghai Women’s Health Study and a Meta-Analysis. Am J Epidemiol [Internet]. 2012 Nov 15;176(10):846–55. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3626060/
1.
Helferich WG, Andrade JE, Hoagland MS. Phytoestrogens and breast cancer: a complex story. Inflammopharmacology. 2008 Oct;16(5):219–26.
1.
Harrison S, Lennon R, Holly J, Higgins JPT, Gardner M, Perks C, et al. Does milk intake promote prostate cancer initiation or progression via effects on insulin-like growth factors (IGFs)? A systematic review and meta-analysis. Cancer Causes Control [Internet]. 2017;28(6):497–528. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5400803/
1.
Becerra-Tomás N, Díaz-López A, Rosique-Esteban N, Ros E, Buil-Cosiales P, Corella D, et al. Legume consumption is inversely associated with type 2 diabetes incidence in adults: a prospective assessment from the PREDIMED study. Clinical Nutrition [Internet]. 2017 Mar 23 [cited 2017 Mar 31];0(0). Available from: http://www.clinicalnutritionjournal.com/article/S0261-5614(17)30106-1/abstract
1.
Messina M. Soy and Health Update: Evaluation of the Clinical and Epidemiologic Literature. Nutrients [Internet]. 2016 Nov 24 [cited 2017 Feb 22];8(12). Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5188409/
1.
Darmadi-Blackberry I, Wahlqvist ML, Kouris-Blazos A, Steen B, Lukito W, Horie Y, et al. Legumes: the most important dietary predictor of survival in older people of different ethnicities. Asia Pac J Clin Nutr. 2004;13(2):217–20.
1.
Taku K, Melby MK, Kronenberg F, Kurzer MS, Messina M. Extracted or synthesized soybean isoflavones reduce menopausal hot flash frequency and severity: systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Menopause. 2012 Jul;19(7):776–90.
1.
Feskanich D, Bischoff-Ferrari HA, Frazier L, Willett WC. Milk Consumption During Teenage Years and Risk of Hip Fractures in Older Adults. JAMA Pediatr [Internet]. 2014 Jan [cited 2016 Mar 3];168(1):54–60. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3983667/
1.
Bischoff-Ferrari HA, Dawson-Hughes B, Baron JA, Kanis JA, Orav EJ, Staehelin HB, et al. Milk intake and risk of hip fracture in men and women: A meta-analysis of prospective cohort studies. J Bone Miner Res [Internet]. 2011 Apr 1 [cited 2016 Mar 3];26(4):833–9. Available from: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/jbmr.279/abstract
1.
Korde LA, Wu AH, Fears T, Nomura AMY, West DW, Kolonel LN, et al. Childhood Soy Intake and Breast Cancer Risk in Asian American Women. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev [Internet]. 2009 Apr 1 [cited 2015 Nov 19];18(4):1050–9. Available from: http://cebp.aacrjournals.org/content/18/4/1050
1.
Shu XO, Jin F, Dai Q, Wen W, Potter JD, Kushi LH, et al. Soyfood Intake during Adolescence and Subsequent Risk of Breast Cancer among Chinese Women. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev [Internet]. 2001 May 1 [cited 2015 Nov 19];10(5):483–8. Available from: http://cebp.aacrjournals.org/content/10/5/483
1.
Chi F, Wu R, Zeng Y-C, Xing R, Liu Y, Xu Z-G. Post-diagnosis soy food intake and breast cancer survival: a meta-analysis of cohort studies. Asian Pac J Cancer Prev. 2013;14(4):2407–12.
1.
Zhu B, Sun Y, Qi L, Zhong R, Miao X. Dietary legume consumption reduces risk of colorectal cancer: evidence from a meta-analysis of cohort studies. Sci Rep [Internet]. 2015 Mar 5 [cited 2015 Apr 22];5. Available from: http://www.nature.com/srep/2015/150305/srep08797/full/srep08797.html
1.
Lee S-A, Shu X-O, Li H, Yang G, Cai H, Wen W, et al. Adolescent and adult soy food intake and breast cancer risk: results from the Shanghai Women’s Health Study1234. Am J Clin Nutr [Internet]. 2009 Jun [cited 2015 Feb 18];89(6):1920–6. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2683002/
1.
Yan L, Spitznagel EL. Soy consumption and prostate cancer risk in men: a revisit of a meta-analysis. Am J Clin Nutr. 2009 Apr;89(4):1155–63.
1.
Lee AH, Su D, Pasalich M, Tang L, Binns CW, Qiu L. Soy and isoflavone intake associated with reduced risk of ovarian cancer in southern Chinese women. Nutr Res. 2014 Apr;34(4):302–7.
1.
Messina M, Nagata C, Wu AH. Estimated Asian adult soy protein and isoflavone intakes. Nutr Cancer. 2006;55(1):1–12.
1.
Yan L, Spitznagel EL, Bosland MC. Soy consumption and colorectal cancer risk in humans: a meta-analysis. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2010 Jan;19(1):148–58.