A equação acerca dos riscos e benefícios da exposição solar não é linear. A ideia que prevalece em termos de saúde pública e recomendações atuais é a de que se deve expor o mínimo possível à radiação ultravioleta de modo a diminuir o risco de lesões na pele que poderão levar à manifestação de um cancro. E de facto o risco é real e a proteção é necessária. No entanto, dos vários tipos de radiação ultravioleta, os raios UVB são também responsáveis pela formação de vitamina D quando em contacto com a nossa pele. Esta vitamina, na realidade uma hormona, é responsável por uma série de macanismos biológicos, alguns dos quais poderão ser protetores ao nível do cancro. Por outras palavras a vitamina D poderá ser importante na prevenção de vários tipos de cancro. Esta hipótese sai reforçada num estudo apresentado recentemente na conferência Pancreatic Cancer: Progress and Challenges pela American Association for Cancer Research, no qual se observou uma relação inversa entre níveis elevados de radiação ultravioleta e cancro do pâncreas. Nas palavras de Rachel Neale, “vários estudos epidemiológicos sugerem que pessoas que vivam em regiões com exposição solar elevada apresentam menor risco de cancro do pâncreas”. O estudo desenvolvido na Austrália pela investigadora Rachel Neale e a sua equipa, mostrou que os participantes que habitam regiões com os níveis superiores de radiação ultravioleta têm um risco 24% inferior de desenvolverem cancro do pâncreas quando comparados com aqueles nascidos em regiões de baixa radiação. Além disso, aqueles que apresentam pelas características da sua pele uma maior sensibilidade à radiação, têm segundo o mesmo estudo, 49% menos probabilidade de virem a ter cancro do pâncreas quando comparados com aqueles que apresentam uma pele menos sensível ao sol.

Rachel Neale conclui dizendo que “existe um aumento crescente de interesse no papel da exposição solar, amplamente atribuido aos efeitos da vitamina D, na incidência de cancro e mortalidade. É importante que entendamos os riscos e benefícios da exposição solar uma vez que têm implicações nas mensagens de saúde pública acerca da exposição solar, e provavelmente acerca de politicas relacionadas com suplementação de vitamina D ou fortificação dos alimentos.”

Este e outros estudos semelhantes que mostram a importância da vitamina D e da melhor fonte desta hormona, sendo esta o sol, leva-nos a perceber a necessidade de uma política de gestão da exposição solar diferente daquela que tem sido veiculada pelos agentes responsáveis pela saúde pública. Será necessário uma mensagem que oriente as pessoas na direção de um uso responsável do sol. Um uso que leve em consideração a importâcia da vitamina D na prevenção de alguns cancros e de outras doenças.

https://aacrnews.wordpress.com/2012/06/19/sun-exposure-and-sun-sensitive-skin-type-decreased-risk-for-pancreatic-cancer/

Para mais informações aceca do papel da vitamina D na saúde humana:

https://www.grassrootshealth.net/

 

Atenção: a exposição solar deve ser feita responsavelmente evitando ao máximo queimaduras na pele, as quais podem resultar em cancro.